sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Lima descarta passagem por Bolívia de trem interoceânico Brasil-Peru

19/112014 -AFP

A construção de uma ferrovia entre Brasil e Peru, que permitirá unir comercialmente portos do Atlântico e do Pacífico, não cruzará o território boliviano como o país espera, anunciou nesta quarta-feira o presidente peruano, Ollanta Humala.

O presidente disse que esta mega-obra, que os governos de Lima e Brasília projetam, foi um dos assuntos abordados em sua recente viagem à China, país que deve participar da construção e do financiamento.

"Após um acordo prévio com o Brasil na China foi aprovada a assinatura de um memorando para iniciar os estudos de um projeto de trem que una os oceanos e possa integrar os mercados de Brasil, Peru e China", disse Humala, durante reunião com meios de comunicação estrangeiros no Palácio do Governo.
O chefe de Estado indicou que o percurso que o trem cobrirá não será pelo sul do Peru e através da Bolívia, mas "pelo norte do Peru, por razões de interesse nacional", que não especificou.

A Bolívia pretende participar do projeto e se somar a uma ferrovia que possa ligar seu território e seus produtos a portos dos dois oceanos.

Segundo estimativas iniciais, a ferrovia teria um custo de US$ 10 bilhões, que a China estaria em condições de financiar.

Em outubro, o plano gerou alguns atritos diplomáticos entre Lima e La Paz, depois que o presidente boliviano, Evo Morales, disse que o Peru estaria marginalizando a Bolívia do traçado.

"Não sei se o Peru está fazendo uma jogada suja", queixou-se.

Humala disse ter "o maior respeito pelo presidente (Evo) Morales" e que seu país está comprometido na integração com a Bolívia e apoia sua reivindicação histórica de uma saída para o mar.

Neste sentido, referiu-se a "outro projeto de ferrovia que viria de La paz" e chegaria até os portos peruanos e Lima. Ele disse que os ministros do Transporte dos dois países entraram em contato para avançar no tema. "É um desafio de engenharia pelas descidas da Cordilheira até a costa", acrescentou.

Fonte: AFP
Publicada em:: 19/11/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário