quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Maria-fumaça volta ao metrô londrino para comemoração

18/12/2012 - BBC

Quase um século e meio após sua inauguração, o metrô de Londres voltou a ver uma maria-fumaça andando sobre seus trilhos.

Em uma viagem teste para a comemoração do aniversário de 150 anos da primeira viagem, em janeiro, um trem restaurado de mais de cem anos circulou pela linha Metropolitan, a primeira do sistema do metrô londrino, o mais antigo do mundo. A viagem comemorativa do dia 13 de janeiro poderá ser acompanhada por 300 passageiros, escolhidos por sorteio.

Segundo o Museu dos Transportes de Londres, responsável pela reforma da maria-fumaça, 40 mil pessoas viajaram no dia da inauguração do serviço, que então conectava as estações de Paddington e Farringdon, no centro da cidade.

China inaugura maior linha de trem de alta velocidade do mundo

26/12/2012 - Folha de São Paulo

EFE

A China inaugurou nesta quarta-feira a linha de trem de alta velocidade mais longa do mundo, a qual, com quase 2,3 mil km de extensão, liga Pequim à cidade de Cantão e consolida o país asiático como líder mundial neste tipo de rede ferroviária.

O primeiro "trem bala" partiu hoje às 9h locais de Pequim e, de acordo com a previsão divulgada pelas autoridades, chegará a Cantão --cidade situada no sul do país-- oito horas depois, o que representa uma redução de 12 horas no tempo de viagem em comparação com os trens convencionais.

Os trens de alta velocidade, que viajam em uma média de 300 km/h, possuem paradas estabelecidas nas principais cidades do interior da China (entre elas Shijiazhuang, Zhengzhou, Wuhan e Changsha) e passam por seis províncias chinesas, nas quais vivem quase a metade da população nacional (600 milhões de pessoas).

Com a abertura desta linha, a China se mostra como o líder mundial em linhas ferroviárias de alta velocidade, com mais de 9,3 mil km de linha operando em todo o país.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Cidade americana já tem recarga sem fio de carros

18/12/2012 - Jornal do Carro

Raleigh, na Carolina do Norte, Estados Unidos, será uma das primeira cidades do mundo a começar a usar carregadores de carros elétricos wireless. O projeto, chamado de Programa Apollo, juntou várias empresas do setor de energia e tecnologia para fornecer o equipamento de recarga sem fio, batizado de Evatran. Quem quiser instalar o equipamentos em casa terá que pagar US$ 4 mil (cerca de R$ 8.400).
(Confira a fan page do Jornal do Carro no Facebook: http://www.facebook.com/JornaldoCarro)

Metrô de Londres, o mais antigo do mundo, completa 150 anos

18/12/2012 - Zero Hora

Conheça a história e confira treze fatos do metrô que você não sabia

As linhas de trem representam um aspecto prático das cidades, mas ao longo de seu século e meio de existência, o metrô de Londres foi além e se tornou um ícone da capital britânica. Quando o "Tube", como é chamado, completar 150 anos desde sua inauguração em 9 de janeiro, Londres estará preparada para destacar a ocasião com um ano de comemorações.

O metrô de Londres é o mais antigo do mundo. Sua primeira viagem foi em 9 de janeiro de 1863, entre Paddington e Farringdon, na linha Metropolitana. Para marcar os 150 anos de funcionamento, o metrô londrino, em parceria com o Museu do Transporte de Londres, vai realizar diversos eventos, incluindo a recriação de seu primeiro trajeto, atividades especiais em estações desativadas e a publicação de uma série de livros.

Nos dias 13 e 20 de janeiro de 2013, a primeira viagem de passageiros será recriada com trens especialmente restaurados, incluindo a locomotiva metropolitana a vapor nº 1 e o vagão ferroviário metropolitano comemorativo nº 353 - trata-se do vagão subterrâneo em funcionamento mais antigo do mundo. Ao longo de 2013 haverá vários outros trajetos ferroviários comemorativos, utilizando trens a vapor que vão partir de outras estações históricas da rede.

Foto: Divulgação/Visit Britain

O Museu do Transporte de Londres vai exibir os cartazes mais emblemáticos usados para fazer propaganda do metrô de Londres na exposição Poster Art 150: London Underground's Greatest Designs (de fevereiro a outubro de 2013). O público poderá conhecer 150 dos melhores projetos desde a primeira série de cartazes gráficos, em 1908. Os visitantes terão a oportunidade de votar em seus favoritos e o cartaz mais popular será revelado no final da exposição.

Os passageiros do metrô podme notar que algumas estações mais parecem museus, graças ao projeto Arte no Metrô. O programa, realizado desde 2000, apresenta obras de arte de qualidade criadas em lugares inesperados da malha subterrânea, com o objetivo de tornar milhões de viagens diárias mais agradáveis. Para comemorar os 150 anos do metrô londrino, o projeto Arte no Metrô terá uma programação especial conduzida por um artista britânico aclamado e famoso, que levará obras de arte a todas as estações da rede do metrô, além de uma série especial de cartazes e cópias com edição limitada, criadas por 15 importantes artistas contemporâneos. Além de inspirar artistas, o lançamento de 12 contos de autores conhecidos vai mostrar como o metrô também influencia o trabalho de escritores. A Penguin Books publicará as histórias em 2013, cada uma baseada em uma linha de metrô diferente.

Além de admirar as obras artísticas e ler os livros, os fãs do Tube poderão assistir a exibições de filmes temáticos em estações do próprio metrô (os detalhes serão confirmados) e apresentações teatrais na estação desativada de Aldwych.

Para saber mais detalhes sobre como participar das comemorações do metrô, acesse o site.

Para obter informações sobre o projeto Arte no Metrô, acesse o site.

Foto: Reprodução

Se você for viajar para Londres e pretende usar o metrô e outras formas de transporte público, é possível adquirir o Visitor Oyster Card e recebê-lo antes da viagem. Comece a usá-lo desde o momento da aterrissagem em Londres, evitando filas no aeroporto para comprar bilhetes. O Visitor Oyster Card calcula a tarifa mais barata para sua viagem. Você pode comprar o Visitor Oyster Card antes da sua viagem à Grã-Bretanha na loja do VisitBritain.

Conheça 13 fatos sobre o metrô de Londres (inclusive a origem do termo "Tube")
1. O metrô londrino transporta atualmente 1.107.000.000 de passageiros por ano em 270 estações.
2. De modo informal, ele é conhecido como "Tube", que originalmente se referia à profundidade das linhas de trem usadas por composições de corte transversal menor e mais circular, ao invés das linhas menos profundas que eram construídas para locomotivas a vapor. O termo agora abrange todo o sistema.
3. A velocidade média de um trem do metrô é de 33 quilômetros por hora.
4. Cada trem do metrô percorre anualmente 184.269 quilômetros.
5. A extensão da rede metroviária é de 402 quilômetros.
6. A cada dia, mais de mil pessoas esquecem algo no metrô. Todos os objetos são enviados para um escritório no subsolo da Baker Street, que emprega 40 funcionários em período integral. O local armazena em média 200 mil objetos perdidos. Dentre os itens mais estranhos que já estiveram ali incluem-se espadas de samurai, dentaduras, três morcegos mortos e uma lancha de 14 pés. Após três meses, os itens não reclamados são vendidos em leilão ou doados.
7. A estação desativada de Aldwych é exibida com frequência nas telas de cinema. Já serviu de locação para cenas de Superman IV: em Busca da Paz, Desejo e Reparação e V de Vingança.
8. A profundidade subterrânea máxima do metrô fica em Holly Bush Hill, Hampstead, onde as linhas da galeria estão 68,8 metros abaixo do solo.
9. A escada rolante mais longa fica na estação Angel, com 60 metros e inclinação vertical de 27,5 metros.
10. Baker Street é a estação com mais plataformas - um total de 10.
11. A estação de metrô mais movimentada de Londres é Waterloo, onde embarcam 57.000 pessoas durante as três horas de pico do período da manhã. Em termos de passageiros por ano, a estação mais movimentada também é Waterloo, com 82 milhões.
12. Durante 2011 e 2012, o metrô de Londres transportou uma quantidade recorde de passageiros em 1.17 bilhão de viagens realizadas.
13. Albus Dumbledore, personagem da série Harry Potter, tem uma cicatriz com o formato do mapa do metrô logo acima do joelho esquerdo.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Novo trem-bala que chega a até 500 km/h está em desenvolvimento no Japão

26/11/2012 - tecmundo.com.br

Mudança na tecnologia utilizada elimina quase completamente a fricção do trem no trilho.

A tecnologia japonesa não deixa de surpreender e, depois do avanço do trem-bala, agora apresenta um projeto que pode levar o transporte do país para outro patamar.

Foi anunciado o projeto de um trem-bala que alcançará a incrível marca de 500 km/h. Isso será possível graças a poderosos ímãs de levitação, que vão evitar que o transporte entre em fricção com o trilho. Como ele será repelido ao máximo, sua velocidade deve aumentar consideravelmente.

O Japão já tentou utilizar esse tipo de ímã de levitação no passado, mas o Linimo, nome dado ao projeto criado em 2005, chegava somente aos normais 60 km/h.

Segundo responsáveis pela Central Japan Railway Co, empresa responsável pelos trens-bala no Japão, o plano é que o novo transporte superveloz seja concluído em 2027, tendo capacidade para até mil pessoas e fazendo o trajeto de Tokyo até Nagoya. O projeto, então, deve ser ampliado até Osaka, próximo do ano 2045.

Fonte: http://tecmundo.com.br

sábado, 8 de dezembro de 2012

Ex-pesos pesados da Nasa criam 1ª empresa de voos privados à Lua

07/12/2012 - G1

Golden Spike quer oferecer expedições até o final da década.
Custo para duas pessoas colocarem os pés na Lua seria US$ 1,5 bi.
Da France Presse


Golden Spike vai oferecer expedições regulares à Lua até o final da década.
(Foto: Reprodução / EPTV)

Ex-responsáveis da agência espacial americana Nasa anunciaram nesta quinta-feira (6) a criação da primeira empresa privada cujo principal objetivo é vender voos para a Lua. "A Golden Spike é a primeira companhia que prevê oferecer expedições regulares de exploração sobre a superfície da Lua até o final da década", diz um comunicado da empresa.

A companhia aposta na adoção de naves espaciais do setor privado, que reduziriam significativamente o custo dos voos comerciais com destino à Lua, explica o anúncio realizado na véspera do 40º aniversário da última missão lunar, a Apolo 17.

Um voo de ida e volta para dois passageiros colocando o pé na Lua teria o custo de US$ 1,5 bilhão.
"O objetivo da Golden Spike é otimizar os ônibus espaciais já existentes para vender o sistema a países, pessoas ou empresas cujos objetivos e ambições sejam explorar a Lua".

A Golden Spike foi criada por pesos pesados da área espacial: Alan Stern, ex-vice-diretor científico da Nasa, e Gerry Griffin, ex-diretor de voos do programa Apolo e chefe do Johnson Space Center, em Houston.





Enviado via iPhone

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Conheça as melhores companhias aéreas do mundo

30/11/2012 - Portal Transporta Brasil

Com cardápios preparados por chefs famosos, bebidas caras, espaço para dormir com as pernas esticadas e tripulação diferenciada, o passageiro se sente em um hotel cinco estrelas. Passagens de São Paulo para o Qatar custam a partir de R$ 15 mil com serviço VIP

Silas Colombo

Esqueça os bancos apertados, bolachinhas murchas e comissárias de bordo mal humoradas. As melhores companhias aéreas do mundo destacam-se pela qualidade do serviço prestado, tanto a bordo quanto fora do avião, principalmente em voos de longa distância, acomodando os clientes em cabines executivas e de primeira classe, com todo o conforto e luxo necessários para uma viagem de alto nível.

Uma pesquisa da consultoria britânica Skytrax, considerada o "Oscar" da aviação, ouviu a opinião de mais de 18 milhões de clientes sobre cerca de 200 empresas aéreas do mundo todo, avaliando quesitos como serviço de bordo, check-in, conforto e comida.

Pelo segundo ano consecutivo, a Qatar Airways (do Qatar) ocupa o primeiro lugar na lista "Skytrax World Airline Awards". Em seguida, aparecem:

2º – Asiana Airlines (Coreia do Sul)
3º – Singapore Airlines (Cingapura)
4º – Cathay Pacific Airways (Hong Kong)
5º – All Nippon Airways (Japão)

A primeira brasileira a aparecer no ranking é a TAM, na 32ª posição.

Considerando apenas o ranking de América do Sul, a TAM aparece em primeiro lugar, seguida por LAN (Chile), Azul (Brasil), Avianca (Colômbia), Trip (Brasil), Aerolineas Argentinas (Argentina), Gol (Brasil), Pluna (Uruguai, saiu de operação), Webjet (Brasil, saiu de operação) e Easyfly (Colômbia).

De São Paulo a Doha, no Qatar, a partir de R$ 15 mil

A Qatar Airways foi eleita a melhor do mundo pelo segundo ano seguido. A empresa é metade privada e metade do governo do Qatar. O país, no nordeste da Península Arábica, é considerado o mais rico do mundo pela revista "Forbes", com grandes reservas de petróleo e gás natural.

Criada em janeiro de 1994, a Qatar Airways cresceu rapidamente, chegando aos atuais 117 destinos, entre eles, São Paulo e Buenos Aires, na América do Sul. De São Paulo, por exemplo, é possível viajar a vários destinos da Europa, Ásia e Oceania, sempre com escala em Doha, onde fica a sede da empresa e seu luxuoso terminal no aeroporto.
A passagem de ida e volta de São Paulo a Doha em classe executiva custa a partir de US$ 7.359 (cerca de R$ 14.850), mais taxas dos aeroportos.

Empresas da Ásia e Oriente Médio destacam-se

As companhias da Ásia e do Oriente Médio dominam o topo do ranking das melhores aéreas do mundo.

"Atualmente, apenas as empresas asiáticas oferecem serviço de bordo de altíssimo padrão", segundo o especialista em aviação e diretor de Comunicação e Marca da Azul Gianfranco Beting.

A opinião é compartilhada pelo consultor em aviação André Castellini, diretor da Bain&Company. "As empresas da Ásia e do Oriente Médio têm uma capacidade de prestar serviços de qualidade muito alta, tanto dentro como fora do avião, no atendimento no aeroporto e nos lounges", diz.

"As empresas que operam viagens de longa distância normalmente se destacam, principalmente nas cabines 'premium'", segundo Castellini.

Além de 'menus' preparados por chefs famosos, vinhos e champanhes caros, espaço para dormir com as pernas esticadas, há ainda atendentes atenciosas e sorridentes sempre, afirma Castellini. "Não é ocasional, não depende só de uma comissária ou de outra."


Marcelo Almirante
69 - 9985 7275

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Europa atualiza lista negra de companhias aéreas

05/12/2012 - Panrotas

A Comissão Europeia atualizou pela vigésima vez a "lista negra" da aviação, ou seja, a lista de companhias aéreas proibidas de voar para o território da União Europeia, entre outras restrições. Quem deixa a lista é a Jordan Aviation, da Jordânia, assim como as empresas aéreas da Mauritânia, na África, cujos avanços na segurança aérea foram reconhecidos pela Organização de Aviação Civil Internacional (Oaci).

A Oaci identificou ainda melhoras na Líbia, mas as aéreas continuam na "lista negra". Ao todo, 287 empresas aéreas estão proibidas de voar para a União Europeia. Boa parte delas está certificada em algum dos 20 países cujas empresas aéreas são vetadas na Europa, como o Afeganistão, a Eritreia, a Indonésia, Casaquistão e Moçambique, entre outros. Da América do Sul, são proibidas as aéreas Conviasa, da Venezuela, e Blue Wing Airlines, do Suriname.

A lista tem também aéreas que podem voar para o continente europeu, mas têm variadas restrições operacionais. É o caso da Taag Angola Airlines, uma das dez empresas nessas condições. "A Comissão Europeia está disposta a não poupar esforços para ajudar os países afetados pela lista de segurança a capacitarem-se técnica e administrativamente, com o objetivo de superar suas dificuldades em matéria de segurança de forma rápida e o mais eficientemente possível", disse durante o anúncio da lista, ontem, o vice-presidente da Comissão Europeia para a área de Transportes, Siim Kallas.



Enviado via iPhone

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

França e Itália assinam acordo para construir ferrovia transalpina

04/12/2012 - Rádio Voz da Rússia

A França e a Itália assinaram um acordo para a construção de uma linha ferroviária de alta velocidade entre Lyon e Turim.




O projeto conjunto prevê a construção de uma linha ferroviária transalpina, com um túnel de 57 km de comprimento através dos Alpes. A criação deste projeto de engenharia complexo custará 8,5 bilhões de euros.

Os planos das autoridades francesas e italianas já causaram protestos de ambos os lados da fronteira. Os ambientalistas e representantes das autoridades locais estão convencidos de que a construção da linha ferroviária não só podem causar danos irreparáveis à natureza, mas também se tornar um desperdício inadmissível de fundos orçamentais no contexto da atual crise econômica e financeira.



Enviado via iPhone

domingo, 2 de dezembro de 2012

China estreia 1º trem de alta velocidade em áreas de frio extremo

02/12/2012 - Terra

Até o momento, a China tem 8,6 mil km de trilhos de trens de alta velocidade

O primeiro trem de alta velocidade capaz de circular em áreas de temperaturas extremamente baixas fez neste sábado sua primeira viagem, através de três províncias do nordeste da China, informou a agência estatal de notícias Xinhua.

A linha ferroviária pretende revitalizar a indústria, em parte obsoleta, dessa região remota do país asiático, que disponibiliza 67 viagens diárias. Hoje, quatro deles saíram de forma simultânea às 9h locais das cidades de Harbin, Changchun, Shenyang e Dalian. O percurso Harbin-Dalian foi construído por russos e japoneses no século passado, convertendo-se em uma via de acesso ao nordeste da China por parte dos países vizinhos.

A nova linha funcionará paralelamente com os velhos trens de indústria russo-japonesa, mas a primeira fará o percurso pelas três províncias na metade de tempo da antiga, o que deve levar ao estímulo das indústrias química, automobilística e manufatureira locais.

A linha, de 921 km de extensão, entrou em funcionamento após ser submetida a testes durante dois meses, nos quais a região foi sacudida por fortes nevascas e temperaturas de até 40 graus negativos.

Antes de ser colocado em prática o trajeto Harbin-Dalian, havia apenas três linhas ferroviárias circulando em áreas de frio extremo, todas no norte da Europa e na Rússia, mas sem a velocidade dos trens chineses e com um percurso muito menor.

As três linhas juntas somam menos de 700 km, e a mais rápida, que une Moscou e São Petersburgo, chega a 250 km/h em períodos não superiores a 20 minutos.

"A nova linha de trens de alta velocidade representa um grande progresso para o projeto de construir "quatro serviços verticais" e "quatro horizontais" deste tipo", afirmou hoje à Xinhua Lu Chunfang, vice-ministro do Ministério de Ferrovias.

Até o momento, a China tem 8,6 mil km de trilhos de trens de alta velocidade, o que a coloca na liderança mundial do setor. No entanto, o governo pretende estimular ainda mais suas conexões ferroviárias, e pretende chegar à marca de 18 mil km de trajetos de trens de alta velocidade em 2015.

Fonte: Portal Terra


Enviado via iPhone

sábado, 1 de dezembro de 2012

Novo aeroporto de Quito (Equador) abre em fevereiro

01/12/2012 - Panrotas

AQUIRAZ (CE) – O novo Aeroporto Internacional de Quito, em Quito, a capital do Equador, será inaugurado em fevereiro de 2013. E o atual aeroporto, Mariscal Sucre, será fechado.

"O novo e moderno aeroporto fica a cerca de 1h de carro desde o centro de Quito e, neste momento, o governo constrói uma rodovia expressa para ligá-los", diz Josueta Irigoyen (foto), da Gray Line Ecuador, que participa do primeiro Workshop Nordeste da MMTGapnet.

"O novo aeroporto, cujo nome ainda não há, será um incremento muito importante para o turismo equatoriano e, com a abertura, com certeza serão lançados os voos diretos para o Brasil", destaca Irigoyen.

Segundo ele, por causa da crise econômica na Europa e nos Estados Unidos, os mercados sul-americanos têm crescido no Equador. "Argentinos, brasileiros e chilenos têm nos visitado mais nos últimos anos. São mercados muito importantes", finaliza.
O Portal PANROTAS viaja a convite da MMTGapnet



Enviado via iPhone

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

BRT no Mundo

14/11/2012 - Mobilize

Inicialmente concebido em 1974 na cidade de Curitiba, Brasil, o conceito de BRT ganhou fama internacional apenas em 2000, quando foi implantado em Bogotá, Colômbia.

Desde sua criação até hoje já são quase 40 anos, porém, ainda é um desafio encontrar, na internet, informações unificadas sobre sistemas que priorizem o modal ônibus (BRT e corredores de ônibus).

Assim, baseado nos dados presentes no BRTdata.org, a EMBARQ Brasil elaborou uma apresentação que aponta, de maneira objetiva, o atual panorama do BRT e de corredores de ônibus pelo mundo, abrangendo extensão, demanda e número de cidades nas quais opera. Além disso, o documento contempla dados de cidades que planejam a expansão de seus sistemas ou que possuam projetos de implantação. Também foi elaborado um gráfico com a evolução do número de cidades que adotaram alguma forma de priorização de transporte de ônibus e a evolução da extensão desses corredores.
Acesse o site do BRTBrasil com o link para download do documento:
Arquivos



Enviado via iPhone

Pontos de ônibus da sueca Umeaa têm 'sol artificial' contra depressão de inverno

28/11/2012 - AFP

Cidade que tem apenas quatro horas e meia de sol no auge do inverno, no fim de dezembro, oferece luminoterapia contra distúrbio sazonal

Foto: Umeaa Energy

Residentes da sueca Umeaa combatem depressão de inverno em ponto de ônibus com lâmpadas que imitam sol
Trinta paradas de ônibus da cidade de Umeaa, no norte da Suécia, oferecerão um pouco de luminoterapia aos passageiros à espera de seu ônibus durante o longo inverno sueco, anunciou nesta terça-feira (27) a companhia de energia que planejou a iniciativa.

"Ficamos cansados nesta época do ano, e conseguir uma pequena dose de luz a mais é fantástico", disse Anna Norrgaard, diretora de marketing da Umeaa Energy.

Por causa do inverno em Umeaa, cerca de 500 quilômetros ao norte de Estocolmo, os dias são muito curtos. O sol brilha apenas durante quatro horas e meia no auge do inverno, no final de dezembro. A luminoterapia é um tratamento contra a depressão sazonal, o "blues do inverno", distúrbio causado pela falta de luz solar no Hemisfério Norte.

Lâmpadas especiais substituem temporariamente as propagandas. Cinco pontos de ônibus chegaram a ser cobertos com painéis reflexivos para aumentar ainda mais a sensação de estar sob o sol. Os amantes do bronzeamento ficarão decepcionados: para proteger os olhos, as lâmpadas não emitem radiação ultravioleta.

"Você tem de se colocar de frente para as lâmpadas e manter os olhos abertos para deixar entrar a luz", aconselhou Ana.

Os passageiros também podem considerar ir ao ponto de ônibus mais cedo do que de costume para que a terapia tenha um efeito melhor. É geralmente recomendado se expor à luz por meia hora do dia, embora o tempo "possa variar de acordo com a pessoa", acrescentou a diretora.




Enviado via iPhone

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Novo TAV chinês entra em operação em dezembro

28/11/2012 - Revista Ferroviária

O Ministério das Ferrovias chinês anunciou para 1º de dezembro o início das atividades de uma nova linha de alta velocidade entre Harbin e a cidade portuária de Dalian. Com 921 quilômetros de extensão, será a primeira linha de alta velocidade a passar por regiões de alta latitude do país.

Por causa das baixíssimas temperaturas do inverno da região, que podem atingir os 38 graus negativos, as autoridades chinesas decidiram adotar duas velocidades diferentes. No inverno, entre 1º de dezembro a 31 de março, a velocidade será de 200 km/h, e no verão, entre 1º de abril e 30 de novembro, será de 300 km/h.

Com velocidade máxima de 350 quilômetros por hora, a ferrovia reduzirá o tempo de viagem entre as duas cidades de nove para cerca de quatro horas. A linha, que terá 23 paradas, passará por três províncias do nordeste da China, Heilongjiang, Jilin, Liaoning, incluindo uma na cidade de Shenyang, uma importante base industrial da China.

Os preços dos bilhetes variarão conforme os horários. A Harbin West, estação inicial da linha, terá capacidade de transportar sete mil passageiros por hora.


Enviado via iPhone

Rapidez sobre trilhos afasta passageiros de aéreas

26/11/2012 - Valor Econômico

Os números do TGV, o trem de alta velocidade francês, indicam que ele consegue atrair de 90% a 95% da demanda por transporte de passageiros em ligações de até duas horas.

A construção de uma vasta rede de trens de alta velocidade esvaziou significativamente a demanda por transporte aéreo, na França, mas isso só ocorreu nos percursos em que a viagem sobre trilhos demora até duas horas.

A lição disso para o Brasil, segundo especialistas consultados pelo Valor, é a seguinte: o trem de alta velocidade (TAV) pode levar a maior parte dos passageiros que hoje usam a ponte aérea Rio-São Paulo para o sistema ferroviário, mas apenas se o trajeto for percorrido em 93 minutos, como prevê o projeto do governo. Se a opção for por um "trem-flecha", com velocidade menor - o que pode significar alguns bilhões de reais a menos nos custos de construção - e maior tempo de percurso, talvez não seja possível desafogar os voos entre as duas maiores cidades brasileiras.

Os números do TGV, o trem de alta velocidade francês, indicam que ele consegue atrair de 90% a 95% da demanda por transporte de passageiros em ligações de até duas horas. Nesse caso, os aviões ficam com somente de 5% a 10% de participação. Mas as companhias aéreas preservam sua força à medida que o tempo de viagem sobre trilhos aumenta. Para percursos superiores a quatro horas, mesmo em alta velocidade, os trens abocanham uma fatia de 20% a 30% e os aviões predominam.

A SNCF, estatal que opera o transporte ferroviário na França, se inspirou na American Airlines para reproduzir, nos trens, um sistema de vendas no qual os bilhetes são mais caros nos horários de pico e custam menos quando comprados com antecedência, por exemplo. Hoje esse modelo é adotado por qualquer companhia aérea que não queira fechar todos os anos no vermelho, mas era uma prática pouco comum nos anos 90, quando o sistema de vendas foi adotado.

Desde essa época, a SNCF se considera na vanguarda da política comercial para os trens rápidos, na Europa. De fato, a taxa de ocupação da rede de TGVs varia entre 74% e 84%, dependendo do tipo de serviço. O mesmo índice é de 65% nos trens de alta velocidade da Renfe (Espanha), de 63% nos da Amtrak (Estados Unidos), de 55% nos da Ferrovie dello Stato (Itália) e de 45% nos da Deutsche Bahn (Alemanha). No total, a SNCF detém quase metade dos passageiros transportados em trens rápidos de toda a Europa.

Um exemplo do "yield management", ou gerenciamento de tarifas, praticado pela estatal francesa ocorreu na rota Paris-Avignon. O município está a 650 quilômetros da capital e a ligação foi reduzida para 2h40 após a chegada do TGV. Em 2001, as tarifas variavam entre € 30,5 e € 94, e a fatia de mercado do trem nessa rota era de 50% do número total de passageiros. A política tarifária, então, foi dinamizada.

A SNCF introduziu um sistema que colocou os bilhetes entre € 25 e € 158. O faturamento no trajeto aumentou 70% e hoje o TGV na linha Paris-Avignon detém 75% de participação, contra apenas 25% dos aviões. Nem a entrada no mercado francês da "low cost" Easy Jet, hoje segunda maior aérea do país e atrás apenas da Air France, conseguiu retomar a competitividade dos aviões em trajetos ligando Paris a Lyon ou a Marselha. Isso é atribuído não só ao tempo, mas ao conforto propiciado pelo trem.

Fonte: Valor Econômico


Enviado via iPhone

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Viagens turísticas para o espaço começam em 2014

25/11/2012 - Jornale

Preços vão variar entre US$ 95 mil e US$ 200 mil

O turismo espacial começa a sair do imaginário da ficção científica para se tornar realidade. Pelo menos quatro empresas estão investindo seriamente para levar passageiros ao espaço a "preços populares". As primeiras viagens estão prometidas para o final do ano que vem, início de 2014.

Mais de 700 pessoas já compraram seus bilhetes, incluindo pelo menos oito brasileiros. Os preços variam de US$ 95 mil a US$ 200 mil (R$ 199 mil a R$ 420 mil), dependendo da companhia.

O destino mais popular, neste primeiro momento, é uma altura de 103 a 110 quilômetros, cruzando a chamada linha de Kármán (km 100), no limite da atmosfera terrestre.

Durante alguns minutos, será possível sentir a ausência da gravidade e observar a curvatura da Terra.

Diferentes foguetes levarão os passageiros no voo suborbital, experiência que deverá durar cerca de 60 minutos, incluindo a decolagem e o pouso. As espaçonaves poderão realizar duas ou três viagens por dia.

A Virgin Galactic, do bilionário britânico Richard Branson, já tem até terminal em um "espaçoporto" futurístico no Novo México (EUA), desenhado pelo renomado arquiteto Norman Foster.

Branson promete levar os primeiros "astronautas-turistas" para o espaço no final do ano que vem em uma espaçonave com até seis passageiros e dois tripulantes.

A viagem custa US$ 200 mil, mas a Virgin Galactic aceita sinal a partir de US$ 20 mil (R$ 42 mil). Desde o início das vendas, 550 pessoas, de 50 países, pagaram US$ 65 milhões (R$ 136 milhões).



Enviado via iPhone

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Rapidez sobre trilhos afasta passageiros de aéreas

26/11/2012 - Valor Econômico

Os números do TGV, o trem de alta velocidade francês, indicam que ele consegue atrair de 90% a 95% da demanda por transporte de passageiros em ligações de até duas horas.

A construção de uma vasta rede de trens de alta velocidade esvaziou significativamente a demanda por transporte aéreo, na França, mas isso só ocorreu nos percursos em que a viagem sobre trilhos demora até duas horas.

A lição disso para o Brasil, segundo especialistas consultados pelo Valor, é a seguinte: o trem de alta velocidade (TAV) pode levar a maior parte dos passageiros que hoje usam a ponte aérea Rio-São Paulo para o sistema ferroviário, mas apenas se o trajeto for percorrido em 93 minutos, como prevê o projeto do governo. Se a opção for por um "trem-flecha", com velocidade menor - o que pode significar alguns bilhões de reais a menos nos custos de construção - e maior tempo de percurso, talvez não seja possível desafogar os voos entre as duas maiores cidades brasileiras.

Os números do TGV, o trem de alta velocidade francês, indicam que ele consegue atrair de 90% a 95% da demanda por transporte de passageiros em ligações de até duas horas. Nesse caso, os aviões ficam com somente de 5% a 10% de participação. Mas as companhias aéreas preservam sua força à medida que o tempo de viagem sobre trilhos aumenta. Para percursos superiores a quatro horas, mesmo em alta velocidade, os trens abocanham uma fatia de 20% a 30% e os aviões predominam.

A SNCF, estatal que opera o transporte ferroviário na França, se inspirou na American Airlines para reproduzir, nos trens, um sistema de vendas no qual os bilhetes são mais caros nos horários de pico e custam menos quando comprados com antecedência, por exemplo. Hoje esse modelo é adotado por qualquer companhia aérea que não queira fechar todos os anos no vermelho, mas era uma prática pouco comum nos anos 90, quando o sistema de vendas foi adotado.

Desde essa época, a SNCF se considera na vanguarda da política comercial para os trens rápidos, na Europa. De fato, a taxa de ocupação da rede de TGVs varia entre 74% e 84%, dependendo do tipo de serviço. O mesmo índice é de 65% nos trens de alta velocidade da Renfe (Espanha), de 63% nos da Amtrak (Estados Unidos), de 55% nos da Ferrovie dello Stato (Itália) e de 45% nos da Deutsche Bahn (Alemanha). No total, a SNCF detém quase metade dos passageiros transportados em trens rápidos de toda a Europa.

Um exemplo do "yield management", ou gerenciamento de tarifas, praticado pela estatal francesa ocorreu na rota Paris-Avignon. O município está a 650 quilômetros da capital e a ligação foi reduzida para 2h40 após a chegada do TGV. Em 2001, as tarifas variavam entre € 30,5 e € 94, e a fatia de mercado do trem nessa rota era de 50% do número total de passageiros. A política tarifária, então, foi dinamizada.

A SNCF introduziu um sistema que colocou os bilhetes entre € 25 e € 158. O faturamento no trajeto aumentou 70% e hoje o TGV na linha Paris-Avignon detém 75% de participação, contra apenas 25% dos aviões. Nem a entrada no mercado francês da "low cost" Easy Jet, hoje segunda maior aérea do país e atrás apenas da Air France, conseguiu retomar a competitividade dos aviões em trajetos ligando Paris a Lyon ou a Marselha. Isso é atribuído não só ao tempo, mas ao conforto propiciado pelo trem.

Fonte: Valor Econômico


Enviado via iPhone

TGV, orgulho da França, tem dívidas bilionárias

26/11/2012 - Valor Econômico

Mesmo com toda a dívida, o governo francês aposta na expansão da malha dos TGVs

O TGV, trem-bala que a França inaugurou em 1981, é um orgulho nacional tão grande quanto os vinhos ou a tradição republicana do país: ele já transportou 2 bilhões de passageiros, nunca teve um acidente fatal e quebrou três vezes o recorde mundial de velocidade sobre trilhos.

Por trás do justificado orgulho francês, no entanto, há uma conta que resiste em fechar. Para construir uma rede de 1.860 quilômetros de linhas de alta velocidade, que deixou Paris a duas horas de Lyon (terceira maior cidade do país) e a três horas de Marselha (segunda maior), a estatal responsável por toda essa infraestrutura convive hoje com uma dívida líquida de € 29,2 bilhões - o equivalente a R$ 78,3 bilhões.

Mesmo em meio à crise financeira europeia, o valor da dívida acumulada pela Rede Ferroviária da França (RFF) não assusta os franceses, que costumam defender apaixonadamente seus trens de alta velocidade. "Não se pode olhar o TGV apenas pelo lado dos seus custos", diz François Poupard, diretor-adjunto de gabinete do Ministério dos Transportes, o terceiro cargo mais importante da pasta. "Ele reduziu o tempo de percurso entre as cidades, aumentou a praticidade do deslocamentos, trouxe ganhos intangíveis de qualidade de vida. E é uma estrutura que existirá pelos próximos dois séculos", emenda.

De forma parecida ao modelo proposto pelo governo brasileiro, que se esforça para construir a ligação Rio-São Paulo-Campinas, outra empresa cuida especificamente da operação do sistema ferroviário. A SNCF (sigla para a estatal Sociedade Nacional das Estradas de Ferro Franceses), que detém 48% do mercado europeu de alta velocidade e tornou-se a principal referência do continente no setor, também enfrenta um conjunto de desafios.

Em 2008, pela primeira vez em sua história, a SNCF pagou dividendos ao Estado. No ano passado, teve lucro líquido de € 125 milhões. Apesar da crise, houve aumento de 3,5% das receitas totais, nos nove primeiros meses de 2012. Mas os perigos que se escondem nos bons indicadores financeiros não são pequenos.

Para bancar o déficit da infraestrutura, a estatal responsável pela gestão da rede tem aplicado aumentos anuais de dois dígitos para as tarifas que cobra da SNCF pela passagem das composições por sua malha, o que pressiona o valor dos bilhetes. Embora seus trens de alta velocidade estejam em excelente estado, muitos rodam há três décadas e o processo de renovação da frota não deverá sair antes de 2020, por causa justamente das pressões de custos.

A dívida da SNCF também chama a atenção: eram € 8,3 bilhões no fim do ano passado. Ou seja, quando a construção e a operação da infraestrutura são somadas, o endividamento chega a € 37,5 bilhões - embora redes regionais, de baixas velocidades, também estejam na conta e atenuem a responsabilidade do TGV na dívida total. Pode ser considerado muito para quem está preocupado em evitar bombas fiscais e pouco para quem prefere sublinhar as vantagens de montar um sistema de transportes tão sofisticado - tudo depende do ponto de vista. Em última instância, trata-se uma escolha da sociedade, e é isso o que os brasileiros terão de fazer agora.

Allain Bullot, um experiente executivo da SNCF que hoje se dedica exclusivamente a avaliar o trem-bala Rio-São Paulo-Campinas e uma eventual participação da empresa francesa no empreendimento, argumenta a favor do projeto. Para ele, nenhuma outra ligação ferroviária de alta velocidade planejada hoje no mundo guarda tanto potencial quanto o trem brasileiro.

"São 22 milhões de habitantes em uma ponta e 12 milhões em outra. O país está crescendo, existem problemas de transportes e as pessoas precisam e gostam de viajar", observa Bullot. De acordo com ele, o nível de demanda entre São Paulo e Rio - incluindo as paradas no meio do caminho - se parece bastante com o que havia de Paris a Lyon, quando o serviço entrou em funcionamento, em 1981. Em dez anos, o número de passageiros praticamente dobrou. E, apesar do endividamento geral no sistema ferroviário, Bullot garante que a ligação Paris-Lyon tem sido lucrativa. "O investimento foi totalmente recuperado em 15 anos. Sem falar na rentabilidade que não é apenas econômica, mas social", enfatiza.

Mesmo com toda a dívida, o governo francês aposta na expansão da malha dos TGVs, abreviatura dos "trains à grande vitesse". Mais de 400 quilômetros em extensões de três linhas estão em curso. Novamente, o subsídio público é essencial para bancar o investimento, mas o governo central agora pretende dividir a conta com as regiões beneficiadas.

"De cada € 1 bilhão em investimentos, até € 200 milhões são bancados pela própria RFF. O restante é dividido entre o Estado nacional e os governos regionais", diz Poupard, o funcionário do Ministério dos Transportes.

O trecho de 302 quilômetros entre Tours e Bordeaux está sendo construído, pela primeira vez, por uma parceria público-privada. O contrato, firmado no ano passado, prevê € 7,8 bilhões de investimentos na construção e operação do novo TGV - 48% dos recursos virão da iniciativa privada, que poderá explorar o serviço numa concessão de 50 anos.

A parte restante será aportada por diversas instâncias de governo. As obras deverão estar prontas em 2018, a um custo aproximado de € 6,2 bilhões ou de € 20 milhões por quilômetro, segundo Gilles Autuori, vice-presidente sênior da Egis Rail, uma das empresas que integram o consórcio vencedor dessa PPP.

Esse montante é o equivalente a cerca de R$ 53 milhões/km. O trem de alta velocidade brasileiro prevê custos de construção em torno de R$ 51 milhões/km, a valores de 2008, mas as empreiteiras têm estimativas muito maiores e o governo decidiu fazer novas contas só depois da elaboração de um projeto executivo de engenharia, que não ficará pronto antes de 2014. (DR)

O repórter viajou a convite da Embaixada da França no Brasil

Fonte: Valor Econômico




Enviado via iPhone

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Nova York

17/11/2012 - O Globo

No Trump Soho Hotel, luxuoso edifício de 46 andares em Manhattan, 12% dos 391 apartamentos foram vendidos a brasileiros.
Um studio no prédio custa US$ 868 mil. O apartamento de um quarto não sai por menos de US$ 1,14 milhão.



Enviado via iPhone

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Tel Aviv abre licitação para compra de 90 VLTs

12/11/2012 - International Railway Journal

O NTA (sistema de transporte coletivo metropolitano de Tel Aviv) lançou um edital no dia 8 de novembro para um contrato de projeto, fornecimento, comissionamento e manutenção de uma frota de 90 VLTs para a rede de veículos leves da cidade, com opções para 30 veículos adicionais.

Potenciais licitantes devem notificar a NTA de seu interesse até o dia 30 de dezembro. Uma conferência obrigatória será realizada com os licitantes no dia 9 de janeiro, e o prazo para apresentação das propostas à NTA é 10 de abril de 2013.

A construção da rede está em andamento na Linha Vermelha, com 22 km de extensão entre Petakh-Tikva e Bat Yam, que será inaugurada em 2017. O projeto também começou na Linha Verde, de 35 km de extensão, que deverá ser comissionada em 2020. Enquanto a conclusão da Linha Roxa, com 34 km de extensão, está prevista para 2021.


Enviado via iPhone

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Ricos investem em casas para lá de seguras

08/11/2012 - Valor Econômico, Candace Jackson

A casa da família Corbi se parece com muitas outras casas modernas do bairro de Hollywood Hills, com paredes brancas, amplas janelas e vista para o centro de Los Angeles, na Califórnia. Mas ela tem algumas diferenças fundamentais em relação às casas vizinhas. Foi construída para suportar praticamente todos os tipos de desastres que se possa imaginar, desde tempestades e terremotos de alta magnitude até incêndios florestais, pandemias ou ataques, raros, mas com grande potencial de destruição, de um pulso eletromagnético de alta frequência disparado por uma bomba nuclear, uma erupção solar ou uma arma especializada. A adega no porão serve de abrigo subterrâneo. Se tudo mais falhar, um heliporto na cobertura permite uma saída de emergência de última hora.
Um número cada vez maior de construtoras e compradores de imóveis está correndo atrás de um novo tipo de segurança: casas equipadas para suportar de tudo, de furacões, tornados e supertem-pestades híbridas como o Sandy, que devastou a costa leste americana na semana passada, até ameaças engendradas pelo ser humano, que vão de invasão de domicílio a uma guerra nuclear. Alguns, reconstruindo em áreas atingidas por tempestades frequentes, querem suportar melhor o próximo desastre; outros esperam criar uma salvaguarda contra qualquer calamidade possível. Estimulando a ascensão dessas casas, que muitas vezes parecem fortalezas, há novas tecnologias e novos materiais de construção, os quais, segundo as construtoras, acabarão se generalizando nas áreas ameaçadas por tempestades e terremotos.
Sean Murphy, da empresa Coastal Construction, de Miami, está construindo para um cliente uma residência à beira-mar de 3.700 metros quadrados, no sul da Flórida, projetada para resistir a um grande furacão ou algo pior. O proprietário, que Murphy não quis identificar, encomendou paredes de concreto armado de 30 centímetros de espessura, revestidas com material emborrachado para melhor impermeabilização, dentro de uma camada de pedras de 5 centímetros. As técnicas normais de construção resistente a tempestades recomendam usar blocos de concreto composto de 20 centímetros, para tornar uma casa à prova d'água e do vento.
"Trata-se basicamente de uma casa no estilo de um abrigo subterrâneo", diz ele. "Se houver uma grande tempestade, uma grande enchente, um grande evento de qualquer tipo, esta casa não vai sair do lugar."
Alguns novos conjuntos imobiliários estão vendendo projetos resistentes a tempestades para um grupo crescente de compradores. Alys Beach é uma comunidade de luxo à beira mar, de 64 hectares, na costa do Golfo, na Flórida. Ali, as residências, com preços a partir de US$ 1,6 milhão, têm uma arquitetura que lembra as casas das Bermudas e da Guatemala, com pátio interno e grande resistência aos ventos fortes. Os telhados têm duas camadas de calcário e as paredes externas têm 20 centímetros de concreto, reforçadas a cada 80 centímetros por elementos de segurança "tipo abrigo antiaéreo", de acordo com os materiais de marketing.
No centro-oeste dos Estados Unidos, Steve Huff está investindo numa casa totalmente à prova de furacões. Huff, empresário de software, está construindo uma casa de concreto armado mais parecida a um castelo, com 6.500 metros quadrados, em Christian County, no Estado de Missouri. A casa, conhecida como Pensmore, tem paredes de 30 centímetros de espessura. Suas janelas à prova de balas foram testadas para suportar o equivalente a um sarrafo de madeira voando a 65 quilômetros por hora, ou seja, a velocidade à qual os escombros podem ser arremessados durante uma tempestade. "Se um tornado chegar, seria tolo se saísse desta casa", diz Huff.
Huff, que é investidor em uma empresa de concreto, diz que a casa também será resistente a intrusos: "Entrar aqui seria como tentar perfurar um cofre de banco".
Quando for concluída, no início de 2014, será uma das maiores residências particulares dos Estados Unidos. Huff diz que planeja receber sua numerosa família com frequência, assim como visitas de escritores, cientistas e outros que queiram estudar as tecnologias de segurança, ambientalmente sustentáveis, utilizadas na construção.
Huff diz que os proprietários e os construtores podem aplicar muitas dessas técnicas em escala mais ampla para tornar as casas mais resistentes aos desastres naturais. Por exemplo, fibras em forma de hélice dentro dos blocos de concreto os tornam um pouco flexíveis, como a borracha, e mais capazes de suportar impactos, mediante um custo adicional mínimo.
Para tentar se isolar de todas as ameaças possíveis, alguns proprietários ricos vão a o extremo. Chris Pollack, presidente da Pollack + Partners, consultora nova-iorquina de engenharia e construção que trabalha com clientes abastados, diz que um cliente o contratou recentemente para construir uma casa dotada de um abrigo contra bombas radioativas, com seu próprio abastecimento de ar e água. "A família poderia viver confortavelmente sem se submeter ao ar exterior", diz ele, com estoques de alimentos e outras provisões. Também estão crescendo em popularidade os túneis de fuga que permitem aos moradores saírem em outro local da propriedade ou, nas residências urbanas, em um prédio vizinho. Ele estima que os clientes estão gastando, em média, pelo menos 50% a mais em recursos de segurança e proteção do que ocorria há cinco anos.
Em Camarillo, na Califórnia, logo ao norte de Malibu, Don Boehm construiu sua casa na encosta de uma colina para resistir tanto a terremotos como a invasores. Ela tem um complexo sistema de parafusos de concreto e aço para manter os muros de contenção ancorados a uma base de concreto. A propriedade é cercada por um muro de 180 metros de comprimento e 4,5 metros de altura, e está atualmente à venda por US$ 6,9 milhões.
Al Corbi, o proprietário da casa de Hollywood Hills e fundador de uma empresa chamada Strategically Armored and Fortified Environments (Ambientes Estra-tegicamente Blindados e Fortifi-cados) diz que pode equipar uma casa com um abrigo subterrâneo de até 30 andares abaixo do solo. Ele projetou um abrigo no estilo do cassino Caesar's Palace de Las Vegas, com nuvens pintadas no teto para dar a impressão que se está fora, bem como spas, cinemas e provisões suficientes para manter as famílias entretidas durante meses de vida subterrânea. O custo pode passar de US$ 10 milhões nas instalações mais elaboradas.
Corbi construiu sua própria residência em Los Angeles, tanto para sua família como para demonstrar aos possíveis clientes os mais recentes avanços em equipamentos de alta tecnologia e alta qualidade usados para segurança e proteção contra desastres. Construída sobre 60 pilares de concreto com paredes de aço, cada um com 9 metros de profundidade e 75 centímetros de diâmetro, a casa foi projetada para resistir a um terremoto de alta magnitude.
Um sistema de reconhecimento facial, incluindo diversas câmeras, foi instalado na casa inteira, e um aparelho tipo James Bond que lança um nevoeiro pode ser ativado em um piscar de olhos, uma arma que pode surpreender qualquer invasor. A máquina de fumaça produz desde uma névoa inofensiva, mas desorientadora, até um spray de pimenta e um gás venenoso capaz de debilitar quem o inalar por até 24 horas.
Dentro da casa também há um local que Corbi chama de "núcleo de segurança", ou "quarto do pânico" - uma suíte à prova de balas, de 185 metros quadrados, que abrange o quarto principal e o quarto das crianças. Foi projetado para isolar os proprietários e minimizar o contato com invasores - recurso comum nas residências de seus clientes. Corbi já pôs a casa à venda por US$ 5,8 milhões, mas depois disso a tirou do mercado.
Não só os ricos que estão se protegendo. Proprietários de imóveis com um orçamento menor, em especial os que moram em áreas sujeitas a desastres, também estão usando técnicas e materiais mais avançados para proteger suas casas contra os estragos.
Vicki Adjmi, de Nova Orleans, no Estado da Louisiana, perdeu sua casa na inundação depois que as barragens se romperam com o furacão Katrina em 2005. Embora já tivesse planos, antes da tempestade, para construir uma nova casa no bairro de Lakeview, em Nova Orleans, ela abandonou seu projeto original em favor de uma estrutura mais resistente a tempestades. Seu irmão arquiteto, Morris Adjmi, decidiu elevar a casa, inspirada no estilo moderno de meados do século XX, colocando-a sobre uma base com alguns metros de altura e a construiu no alto de uma colina, mais de um metro acima da linha da inundação causada pelo Katrina.
O construtor escolhido por ela, Scott Morse, diz que muitos de seus clientes de Nova Orleans estão elevando seus espaços principais na casa, colocando a cozinha e a sala de estar no segundo andar e usando o primeiro andar para funções não essenciais, como salas de recreação, a fim de proteger os pertences mais importantes contra as inundações. Ele recomenda vários tipos diferentes de reforços no telhado, incluindo um que não inclui telhas, as quais podem facilmente ser arrancadas durante uma tempestade.
Como Adjmi não queria sacrificar alguns elementos do projeto muito valorizados, inclusive grandes paredes de vidro, ela pesquisou janelas resistentes a furacões, de fabricação alemã, projetadas para resistir a ventos de 240 quilômetros por hora. Durante o furacão Isaac, no início deste ano, Adjmi disse que decidiu ficar em casa esperando a tempestade passar. "Eu não escutei nada", diz ela. "Tínhamos muito isolamento."


Enviado via iPhone

Bolonha, na Itália, é símbolo de mobilidade sustentável

14/11/2012 - The City Fix Brasil, Maria Fernanda

Além de ser um centro do conhecimento e abrigar a universidade ocidental mais antiga do planeta, Bolonha vem ensinando ao mundo outras lições bem importantes

A 7ª maior cidade da Itália conquistou a última edição do Prêmio Semana Europeia da Mobilidade, cujo tema foi "Mobilidade Alternativa", em 2011, depois de ter feito grandes investimentos para qualificar o transporte público e algumas áreas urbanas. Com isso, a vida para quase 1 milhão de pessoas que moram na região metropolitana se tornou mais fácil e sustentável.

As mudanças mais significativas realizadas pela prefeitura da cidade foram: bloqueio total da passagem de automóveis em algumas áreas, 143 km de ciclovias, 20 postos de abastecimento para carros elétricos, renovação da frota de ônibus, que hoje opera emitindo menos poluentes. Com mais opções de deslocamento, fica mais fácil para os bolognesi e os turistas deixarem o carro de lado e apostarem em formas alternativas bem mais agradáveis como a bicicleta, a caminhada e o transporte público! Bravo, Bologna!

Abaixo, acompanhe o vídeo "A vida é movimento" feito pela Comissão Europeia à cidade:

Sobre a Semana Europeia da Mobilidade
A Semana Europeia da Mobilidade é um evento anual sobre mobilidade urbana sustentável que acontece desde 2002, organizado com o apoio político e financeiro dos Diretórios Gerais de Meio Ambiente e de Transportes da Comissão Europeia. O objetivo da iniciativa é incentivar autoridades locais a promoverem medidas pró-transporte sustentável para que seus cidadãos experimentem alternativas ao uso do carro.

Cerca de 7.500 ações focadas em mobilidade urbana sustentável já foram contempladas na Semana que, desde 2009, recebe também inscrições de cidades fora da Europa, incluindo países como Brasil, Japão e Colômbia.

A Comissão Europeia também recomenda que as cidades inscritas desenvolvam um Plano de Ação para a Mobilidade Urbana afim de acelerar as mudanças. A iniciativa ajuda autoridades locais a desenvolverem seus próprios planos, fornecendo material de orientação, promoção de intercâmbio de melhores práticas, identifica pontos de referência, e apoia atividades educacionais para os profissionais de mobilidade urbana.



Enviado via iPhone

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Bogotá espera un informe del Banco Mundial para contratar estudio del Metro

29/10/2012 - EFE

(EFECOM).- La alcaldía de Bogotá dijo hoy que confía en que el Banco Mundial (BM) le dé luz verde a la contratación de los estudios de ingeniería de detalle del tren metropolitano que le fueron encargados a un consorcio español.

La secretaria de Movilidad de Bogotá, Ana Luisa Flechas, informó de que el BM deberá entregar el miércoles próximo el concepto o resultado del estudio que hizo a la propuesta de Euroestudios SL-IDOM Consultoría S.A.-Cano Jiménez Ingeniería S.A., grupo seleccionado hace algunos meses para realizar dichos estudios.

La formalización del contrato está pendiente de que la entidad multilateral dé la aprobación final al contrato que la Alcaldía estructuró con este consorcio.

"Esperamos que nos traigan buenas noticias sobre la gestión, para suscribir el contrato con el consorcio que ganó la ingeniería de detalle", declaró Flechas en declaraciones a la cadena Caracol Radio.

El BM financiará con 80.000 millones de pesos (43,87 millones de dólares) los estudios de diseño de la primera línea del metro para la capital colombiana, de con más de 8 millones de habitantes y que sufre graves problemas de movilidad.

Una vez formalizada la contratación, el consorcio Euroestudios SL-IDOM Consultoría S.A.-Cano Jiménez Ingeniería S.A. contará con quince meses para la realización de los estudios, que comprenden frentes como los de prácticas de construcción, localización de estaciones o los rieles que podrán usarse, entre otros.

La proyectada primera línea de este sistema de transporte para Bogotá tendrá una longitud de 29 kilómetros, 20 de ellos subterráneos, y su coste ha sido calculado en 1.920 millones de dólares.

El de Bogotá será el segundo metro de Colombia, después del de Medellín (noroeste), en funcionamiento desde 1996.

El presidente de Colombia, Juan Manuel Santos, y el alcalde de Bogotá, se reunieron a mediados de septiembre para evaluar la evolución de este proyecto. EFECOM



Enviado via iPhone

sábado, 3 de novembro de 2012

TAV Harbin-Dalian entra em testes na China

08/10/2012 - CRI

A linha para passageiros da ferrovia de alta velocidade que interliga Harbin e Dalian, cidades no nordeste da China, entra em fase de operação experimental hoje (8), fazendo preparações finais para a abertura oficial. Esta é a primeira ferrovia de alta velocidade no mundo que passa por uma região alpina.

A linha tem uma extensão de 921 km, mas a viagem dura apenas cerca de 4 horas. Os trens usados no teste e na operação oficial são fabricadas pela China CNR Corporation Limited. As composições suportam temperaturas entre -40 ℃ e 40 ℃ e podem resistir a adversidades naturais como vento, areia, chuva, neve e nevoeiro.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Inaugurarán Línea 12 del Metro el próximo martes

28/10/2012 - Cronica.com

Tras realizar las pruebas de pilotaje automático, maniobras técnicas y ajuste de elementos en su infraestructura, la Línea 12 del Sistema de Transporte Colectivo (STC) Metro, quedó lista para ser inaugurada el próximo martes.

El Gobierno del Distrito Federal (GDF) anunció en un comunicado que la también llamada Línea Dorada, que correrá de Mixcoac a Tláhuac, iniciará su funcionamiento con 21 trenes, así como 20 estaciones a lo largo de 26 kilómetros.

El diseño para el recorrido de la Línea 12 incluyó su paso por las delegaciones Tláhuac, Coyoacán, Benito Juárez, Xochimilco (desde Tulyehualco), Milpa Alta, Álvaro Obregón e Iztapalapa.

De acuerdo con el GDF, esta línea cuenta con estaciones amplias y servicios como sanitarios y escaleras eléctricas, entre una serie de elementos que la hacen una obra accesible a toda la población, incluyendo personas con discapacidad.

Recordó que del 17 de junio al 2 de octubre, se organizaron recorridos de familiarización que permitieron a dos millones 640 mil usuarios conocer las instalaciones de la nueva línea, localizar la ubicación de las estaciones, medir tiempos de traslado y observar la tecnología con la que cuenta.

El gobierno local detalló que el sistema de torniquetes de la Línea Dorada está habilitado para operar con la nueva Tarjeta del Distrito Federal (TDF), lo cual además de coadyuvar con el cuidado del medio ambiente, "facilita el acceso a los usuarios y les otorga comodidad".


Enviado via iPhone

Israel: comboio aéreo vai deslocar-se a 7 metros de altura em 2014

30/10/2012 - Menos um Carro

Um projecto-piloto feito em colaboração com a NASA vai levar às ruas de Tel-Aviv, em Israel, um comboio aéreo eléctrico que deslocar-se-á a 7 metros de altura. O projecto está a ser promovido como uma forma ecológica e rápida de facilitar o transporte público.
Segundo o anúncio do presidente da câmara de Tel-Aviv, Ron Huldai, o chamado "comboio aéreo" terá, numa primeira fase, uma linha de 7 quilómetros, perto do porto, que estará concluída em dois anos.
O sistema do comboio será movido a electricidade extraída do próprio sistema e a velocidade máxima será de 240 km/h, avança a BBC Brasil.
Jerry Senders, director da empresa Skytrain responsável pela tecnologia, adiantou que, cada veículo terá um motor misto, de electricidade e ondas magnéticas, e deslocar-se-à o a 7 metros de altura, preso sob trilhos suspensos no ar. A NASA está a contribuir para este projecto, sendo responsável pela inovação das ondas magnéticas.
"A principal inovação do projeto é o movimento por intermédio de ondas magnéticas, e essa é a contribuição tecnológica da NASA", explica. "Não haverá atrito entre o veículo e o trilho de alumínio, já que, a partir do momento em que o veículo começar a mover-se, criar-se-á, por meio da onda magnética, uma espécie de travesseiro de ar", acrescenta o diretor.
Os trilhos de alumínio do comboio aéreo de Tel Aviv serão erguidos entre postes, que também servirão como fonte de energia. "O sistema aproveitará ondas magnéticas que serão geradas pelo próprio movimento dos veículos sob os trilhos de alumínio", afirma Senders.
Os veículos serão leves e pesarão apenas 200 quilos cada, e poderão transportar dois passageiros por carruagem e até 11 mil pessoas por hora. Os passageiros que entrarem no comboio poderão carregar num botão, indicando em qual estação querem parar.
"O sistema tem características de uma espécie de internet física", explica Senders, acrescentando "ou seja, uma rede ilimitada de linhas aéreas, que poderá, inclusive, ter estações dentro de edifícios e sobre os prédios".
No futuro, a Skytrain prevê ampliar a rede aérea para as periferias de Israel, e chegar até Eilat (uma cidade no sul do país).


Enviado via iPhone

domingo, 28 de outubro de 2012

Táxis londrinos são os melhores do mundo. Saiba o que você pode fazer para copiar essa eficiência

18/10/2012 - O Estado de São Paulo

Táxis brasileiros não estão bem posicionados. Confira algumas dicas para fazer do táxi um bom negócio

ESTADÃO PME

Divulgação
Táxis de Londres foram eleitos os melhores do mundo pelo quinto ano consecutivo
Simpatia, conhecimento do trajeto, limpeza, segurança e qualidade de direção foram os pontos que fizeram os táxis de Londres serem escolhidos como os melhores do mundo pelo quinto ano consecutivo, segundo pesquisa da Hoteis.com divulgada nesta quinta-feira, dia 18. Os táxis londrinos venceram as cinco das sete categorias que serviram de parâmetro para a pesquisa. Os táxis brasileiros não estão bem colocados no ranking. São Paulo aparece na 35ª posição e o Rio de Janeiro em 50º lugar.
::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

Londres ficou com 11% dos votos, seguida por Nova York (6,4%), Tóquio (5,6%), Xangai (4,8%) e Bangcoc (4,35%). Apesar do bom desempenho em cinco categorias, os táxis londrinos foram eleitos os piores na categoria valor, liderada por Bangcoc. Nova York liderou a categoria disponibilidade de frota. A pesquisa ainda mostrou que 15% dos entrevistados nunca dão gorjeta para taxistas e 39% arredondam o valor da corrida.
Brasil
Em relação aos dados do Brasil, os entrevistados responderam quais as qualidades mais importantes no serviço de táxi. Por ordem de importância, os pontos citados foram: disponibilidade, simpatia, qualidade da direção, conhecimento do trajeto, limpeza, valor e segurança. A pesquisa ainda abordou o valor da gorjeta para o taxista. O resultado foi que 60% arredondam o valor da gorjeta, 20% dão 10% de gorjeta e 20% nunca dão gorjeta.
No caso do valor médio das corridas de táxi no País, 60% gastam entre R$ 3,16 e R$ 80 por mês com táxi, 20% gastam entre R$ 80 e R$ 158 e os outros 20% são divididos entre os que gastam entre R$ 158 e R$ 237 e os que gastam entre R$ 237 e R$ 316 por mês.
:: Dicas do projeto Taxista Empreendedor do Sebrae ::

Planejamento
Planejar é definir os objetivos do seu negócio, é estabelecer metas e criar os meios para atingi-las. O planejamento envolve a melhor aplicação dos recursos financeiros, a manutenção ou renovação do veículo e as estratégias para ampliar e atrair a clientela.
Organização
Organizar é coordenar as suas próprias atividades, aproveitando recursos e tempo ao máximo. Significa cuidar da burocracia – documentação, licenças, seguros etc.. Fazer os pagamentos em dia e prestar contas de contratos e serviços. Evitar o desperdício de dinheiro só traz benefícios. Afinal, as prestações de contas, os repasses e as remunerações são praticamente diários.
Controle
Controlar é acompanhar bem a aplicação dos seus recursos. Seja com planilha de computador ou com a boa e velha caderneta. O importante é conhecer bem os custos: a manutenção do veículo, o consumo, as corridas diárias e as despesas com todos os fornecedores.
Gestão eficiente
Quem trabalha bastante merece ser bem remunerado. Ao administrar bem o seu negócio, você aumenta as chances de conseguir os melhores resultados. E garante vida longa no competitivo mercado de transporte de passageiros. A chave para isso está no conhecimento, na informação e na capacitação. Para o sucesso com seu táxi, você deve ter conhecimento da gestão, do mercado, dos custos e do controle financeiro.
Passageiro
Atender bem o passageiro é o objetivo do negócio. Quem você leva no seu táxi vai avaliar e dar a nota do seu trabalho. Conhecer bem seus clientes é essencial.


Enviado via iPhone

Hoje na História: 1904 - Nova York inaugura sua primeira linha de metrô

27/10/2012 - Opera Mundi

Atualmente, sistema metroviário da cidade é o maior do mundo

Às 14h35 do dia 27 de outubro de 1904, o então prefeito da cidade de Nova York, George McClellan, assume os controles do à época inovador "sistema de trânsito rápido", o metrô subterrâneo. Londres orgulhava-se de possuir a mais antiga rede de transporte metroviário (inaugurada em 1863) e Boston já havia construído sua primeira linha em 1897. Mas nenhuma ultrapassaria a extensão da de Nova York.

Clique aqui e confira o vídeo:

A primeira linha, operada pela IRT (Interborough Rapid Transit Company), estendeu-se por cerca de 15 quilômetros, percorrendo 28 estações. Partia da City Hall na baixa Manhattan e seguia para o Grande Terminal Ferroviário Central. De lá, dirigia-se sentido oeste, ao longo da rua 42, rumo ao Times Square. A linha então termina, desviando-se para a direção norte, desembocando na Broadway e no Harlem.

No dia da inauguração, o prefeito McClellan colocou em prática sua formação como engenheiro para assumir os controles do trem até a rua 103. Às 19h daquela tarde, o transporte subterrâneo abriu suas portas para o grande público. Mais de 100 mil pessoas pagaram um níquel cada uma para fazer sua primeira viagem debaixo de Manhattan.

Os serviços da IRT expandiram-se para o Bronx em 1905, ao Brooklyn em 1908 e ao Queens em 1915. Desde 1968, o metrô local vem sendo administrado pela MTA (Metropolitan Transport Authority). O sistema agora tem 26 linhas e 468 estações em operação. A linha mais longa, o Trem Expresso 8ª Avenida A, estende-se por mais de 52 quilômetros, do ponto mais ao norte de Manhattan até o extremo de Queens, região sudeste.

Todos os dias, cerca de 4,5 milhões de passageiros usam o metrô de Nova York. Com exceção do trem que conecta Nova York com Nova Jersey e algumas partes do sistema de trens elevados de Chicago, o metrô de Nova York é o único sistema de trânsito rápido do mundo que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. Não importa quão lotado ou sujo seja, o metro é uma das poucas instituições novaiorquinas que seus moradores, ou turistas, não podem dispensar.

O jornal The New York Times descreveu a excitação dos habitantes da cidade na ocasião da seguinte forma: "pela primeira vez em sua vida, o padre Knickerbocker viajou ontem no trem subterrâneo. Ele e seus filhos em número de 150 mil, em meio ao alarido de assobios e fogos de artifício, para uma primeira viagem num trem que corre debaixo da terra e que por anos foi ridicularizado como uma impossibilidade".

O primeiro sistema ferroviário subterrâneo, o Metropolitan Railway, foi inaugurado em Londres em 1863. Os trens se moviam a vapor, o que causava graves problemas nos túneis. Contudo, o sistema caiu no gosto popular. Em 1890, foi paulatinamente introduzido o sistema de trens elétricos, o que fez do tráfego subterrâneo algo mais prático, seguro e saudável.

Embora o primeiro metrô dos Estados Unidos tenha sido implantado em Boston, em 1897, Nova York tornou-se finalmente a cidade norte-americana mais associada ao transporte subterrâneo. Após ganhar licitações municipais em 1913, a IRT e sua rival BRT (Brooklyn Rapid Transit) incrementaram substancialmente o número de linhas, consideradas modernas até os dias atuais.

Fonte: Opera Mundi

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Bicicleta elétrica é a saída para a crise em Roma

21/10/2012 - Wall Street Journal

Por LIAM MOLONEY, de Roma

Liliana Ginanneschi se casou recentemente em uma cerimônia na prefeitura de Roma. Para não ficar presa no trânsito, foi de bicicleta elétrica. Fez mais: alugou bicicletas também para os convidados, para que ninguém perdesse o momento do "sim".

"Quando a cerimônia acabou, subimos nas bicicletas e fomos para a festa", contou a diretora de cinema. "Dois convidados gostaram tanto da ideia que acabaram comprando uma bicicleta elétrica".

O famoso trânsito de Roma, o alto custo da gasolina, a falta de lugar para estacionar, uma rede de metrôs limitada e frequentes greves no transporte público estão levando o italiano a explorar outras formas de se locomover. Com o motorzinho movido a uma bateria recarregável para ajudar nas pedaladas, a bicicleta elétrica vem ganhando popularidade.

Embora não haja dados oficiais, o chefe-adjunto da polícia municipal de Roma, Diego Porta, confirma que o uso da bicicleta elétrica vem crescendo na capital italiana — até entre as forças de segurança, onde já há oito em uso. "Parece uma saída natural contra o custo de vida mais alto, com coisas como o preço da gasolina", diz.

Na Itália, o preço do litro da gasolina chegou a mais de 2 euros (R$ 5,28) no meio do ano, culpa da alta dos preços do petróleo e de um novo imposto sobre combustíveis no país. Hoje, o preço está em cerca de 1,80 euro por litro.

Enlarge Image

Nadia Shira Cohen para o The Wall Street Journal
Liliana Ginanneschi pedala sua bicicleta elétrica em Trastevere, Roma.

Em toda a Europa, a venda de bicicletas elétricas subiu durante a crise, diz Kevin Mayne, da Federação Europeia de Ciclistas, em Bruxelas. Já a venda de carros na Itália vem caindo. Em setembro, o volume de licenciamento de novos veículos foi 26% inferior ao de um ano atrás; baixando a níveis da década de 1970. As vendas de motocicletas também declinaram.

Já a procura pela bicicleta elétrica — que ao contrário de motocicletas e Vespas não exige seguro, pagamento de imposto sobre circulação nem gasto com gasolina — está subindo. A Ancma, a associação italiana de ciclos e motociclos, espera que a venda de bicicletas elétricas cresça no mínimo 10% no próximo ano.

"O interesse hoje é fenomenal. Potenciais compradores estão fazendo fila para conferir as bicicletas", diz Franca Camplone, diretora de vendas no varejo da companhia de energia renovável Enel Green Power SpA, EGPW.MI -2.35% que calcula que 50 mil bicicletas elétricas serão vendidas em toda a Itália este ano — em comparação com praticamente zero cinco anos atrás. A empresa começou a vender o veículo em setembro e lançou uma campanha para promover a bicicleta elétrica como presente de Natal.

"Estamos pasmos com o número de pessoas que chega a nossas lojas para comprar ou buscar informações sobre uma bicicleta dessas", disse Valerio Verrino, dono da Ecovia, loja de bicicletas elétricas perto do Coliseu.

Segundo Verrino, o preço de uma bicicleta elétrica com marcha varia de 950 euros a 2.000 euros — cerca de um terço a menos do que o de uma Vespa e menos de metade do custo de uma motocicleta.

Embora a Itália seja um nome forte no ciclismo profissional, a bicicleta convencional nunca decolou como meio de transporte em Roma, cidade de ladeiras e de barbeiragens no trânsito. Segundo uma pesquisa da Eurobarometer de 2011, a bicicleta é o principal veículo de transporte de 4,7% dos italianos, menos do que a média da União Europeia (7,4%) e muito aquém da Holanda (31,2%).

Em Roma, as autoridades esperam mudar a situação. Em setembro, a prefeitura anunciou que vai construir 1.650 quilômetros de ciclovias na cidade e arredores. Hoje, não há quase nada.

O sistema de transporte público é irregular. Em Roma, linhas de metrô não chegam a pontos importantes da cidade, pois antigas ruínas subterrâneas limitam seu alcance. A cidade volta e meia sofre com greves no transporte público.

Roma é a terceira cidade europeia com o trânsito mais congestionado. Empata com Bruxelas e perde para Varsóvia e Marselha, segundo o índice de congestionamento divulgado em julho pela empresa de GPS TomTom.

"Um dia, fiquei tão irritada de não achar um lugar para estacionar o carro perto de um clube no qual ia encontrar uns amigos que decidi voltar para casa", contou Anna Paulis, uma psiquiatra de 42 anos que comprou uma bicicleta elétrica há um ano e meio. "Agora, vou com minha bicicleta para toda parte quase que diariamente".

A Enel Green Power calcula que, na Itália, o motorista de carro gaste a média de 3.600 euros por ano para os 14 quilômetros que roda por dia, em média. Segundo a empresa, quem circula com uma bicicleta elétrica gasta dez euros em eletricidade para rodar a mesma distância.

Fãs da bicicleta elétrica dizem, ainda, que o motociclo é a solução para o velho problema que circular de bicicleta traz para o romano preocupado com o visual: como ir para cima e para baixo sem chegar exausto, suando em bicas.

De bicicleta normal, "você não chegaria apresentável para um jantar romântico a dois", diz Tommaso Giacchetti, um rapaz de 28 anos que faz doutorado em engenharia na Universidade Roma Tre. "A aparência é importante".



Enviado via iPhone

Projeto de trem-aéreo da Nasa cruzará os céus de Tel Aviv

25/10/2012 - Terra

Trem elétrico e ecológico, suspenso em trilhos de alumínio a grande altura, será implantado na capital de Israel

Um projeto-piloto feito em colaboração com a Nasa (agência espacial americana) deve levar às ruas de Tel Aviv, em Israel, um trem aéreo elétrico, com trilhos de alumínio, que está sendo promovido como uma "forma ecológica e rápida" de facilitar o transporte público.

Segundo anúncio do prefeito de Tel Aviv, Ron Huldai, o chamado "trem aéreo" terá uma primeira fase com uma linha de 7 km, perto do porto (norte da cidade), a ser concluída em dois anos.

Os veículos poderão alcançar uma velocidade de 240 km/h e "voarão" em uma altura de 7 m, presos sob trilhos suspensos no ar. O sistema será movido a eletricidade, parte da qual será "produzida pelo próprio sistema", disse à BBC Brasil Jerry Senders, diretor da empresa Skytran, responsável pela tecnologia.

Senders explica que dentro de cada veículo haverá um "motor linear" que será movido por um misto de eletricidade e ondas magnéticas. "A principal inovação do projeto é o movimento por intermédio de ondas magnéticas, e essa é a contribuição tecnológica da Nasa", diz.

"Não haverá atrito entre o veículo e o trilho de alumínio, já que, a partir do momento em que o veículo começar a se mover, se criará, por meio da onda magnética, uma especie de travesseiro de ar e cada bondinho navegará no ar". O único momento em que haverá atrito com o cabo de alumínio será quando o veículo parar nas estações.

Custos e capacidade
"Trata-se de uma maneira econômica, rápida e ecológica de resolver o problema do transporte público", diz Senders, afirmando que o projeto custará apenas US$ 6 milhões por quilômetro.

Para efeitos comparativos, a prefeitura de Jerusalém concluiu recentemente a construção de um bonde que cruza a cidade, que durou 12 anos e custou mais de dez vezes o preço por quilômetro. E estima-se que o custo por quilômetro do metrô de São Paulo seja de US$ 60 milhões a US$ 100 milhões.

Os trilhos de alumínio do trem aéreo de Tel Aviv serão erguidos entre postes, que também servirão como fonte de energia. "O sistema aproveitará ondas magnéticas que serão geradas pelo próprio movimento dos veículos sob os trilhos de alumínio", afirma a prefeitura.

Os veículos serão leves e pesarão apenas 200 kg cada, e poderão transportar dois passageiros por vagão. Mas, segundo Sanders, poderá transportar até 11 mil pessoas por hora. Os passageiros que entram nos bondinhos podem apertar um botão indicando em qual estação querem parar, como em um elevador.

Segundo Senders, o presidente de Israel, Shimon Peres, já pediu que a Skytran prepare planos para ampliar a rede aérea para as periferias de Israel, e o projeto poderia chegar até Eilat (cidade no sul do país). "O sistema tem características de uma espécie de internet física", explica Senders, "uma rede ilimitada de linhas aéreas, que poderá, inclusive, ter estações dentro de edifícios e sobre os prédios".

"Estou orgulhoso de Tel Aviv ter sido escolhida para a implementação do projeto piloto em colaboração com a Nasa", declarou o prefeito Ron Huldai. "O projeto se enquadra na percepção da prefeitura, que vê Tel Aviv como centro de inovação tecnológica", disse à BBC Brasil o porta-voz da prefeitura de Tel Aviv, Gali Avni Orenstein.


Enviado via iPhone

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

China lança nova ferrovia de alta velocidade

17/10/2012 - Embaixada da República Popular da China no Brasil

Uma nova ferrovia de alta velocidade entrou em funcionamento nesta terça-feira no leste da China, integrando cidades locais à rede ferroviária de alta velocidade que cobre as regiões litorâneas desenvolvidas.

A linha de 132 quilômetros liga Hefei e Bengbu, duas cidades da Província de Anhui, no interior da China, reduzindo o tempo de viagem em pelo menos uma hora para 38 minutos, em um trem que viaja a uma velocidade máxima de 350 quilômetros por hora.

A seção também está conectada com a ferrovia de alta velocidade entre Beijing e Shanghai, e é parte das linhas especiais de passageiros que ligam Shanghai, Wuhan e Chengdu, e conectam Beijing e a litorânea Fuzhou.

A integração reduz de forma significativa o tempo de viagem das cidades de Hefei, Bengbu e Huainan de Anhui ao Delta do Yangtze no leste, ao Delta do Rio das Pérolas no sul e à Baía do Mar de Bohai no norte, todos eles motores econômicos do país.

O percurso mais curto de Hefei à capital Beijing foi reduzido para menos de quatro horas depois que a nova ferrovia entrou em funcionamento. Anteriormente, a viagem por trem entre as duas cidades precisava de pelo menos 10 horas.

Anhui foi incorporada ao plano nacional para fomentar o desenvolvimento das províncias interiores no centro do país em 2006, uma vez que a China busca um desenvolvimento regional equilibrado depois de ter um acelerado crescimento na região oriental.

Hoje, a China conta com mais de 6.800 quilômetros de linhas ferroviárias de alta velocidade que circulam a uma velocidade superior a 200 quilômetros por hora. O país planeja expandir a extensão total das ferrovias de alta velocidade para 18 mil quilômetros até 2015, disse o Ministério das Ferrovias.


Enviado via iPhone

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

TAV Harbin-Dalian entra em testes na China

08/10/2012 - CRI

A linha para passageiros da ferrovia de alta velocidade que interliga Harbin e Dalian, cidades no nordeste da China, entra em fase de operação experimental hoje (8), fazendo preparações finais para a abertura oficial. Esta é a primeira ferrovia de alta velocidade no mundo que passa por uma região alpina.

A linha tem uma extensão de 921 km, mas a viagem dura apenas cerca de 4 horas. Os trens usados no teste e na operação oficial são fabricadas pela China CNR Corporation Limited. As composições suportam temperaturas entre -40 ℃ e 40 ℃ e podem resistir a adversidades naturais como vento, areia, chuva, neve e nevoeiro.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Os 10 edifícios residenciais mais desejáveis do mundo

05/10/2012 - O Globo Online

Revista americana selecionou empreendimentos de grandes metrópoles, incluindo São Paulo

A revista americana Worth vasculhou metrópoles de todo o mundo em busca dos seus edifícios residenciais mais desejáveis. O resultado, apresentado numa lista com 10 empreendimentos, mostra que, ainda que o momento econômico não seja favorável, os grandes arquitetos continuam a investir em projetos ousados, criativos e, muitas vezes, bastante caros. Entre os empreendimentos eleitos pelo periódico, está o Vitra, 6º colocado do ranking, que será inaugurado em 2013, em São Paulo. Clique na fotogaleria para conhecer as edificações.


Enviado via iPhone

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Aprovadas as obras para o TAV da Califórnia

02/10/2012 - Revista Ferroviária

No dia 19 de setembro, a Administração Federal de Ferrovias dos Estados Unidos (USFRA, sigla em inglês) deu um grande passo para construção do TAV da Califórnia com a aprovação da construção do primeiro trecho da linha, que vai de Merced para Fresno. As obras estão previstas para iniciar no próximo ano.

O trecho Merced-Fresno é o primeiro de vários projetos-chave que compõem a espinha dorsal de um sistema ferroviário de alta velocidade da Califórnia, que conectará milhões de habitantes do Vale Central para São Francisco e Los Angeles, em menos de 2 horas.

A obra é aguardada pela população da Califórnia. O TAV tem o apoio bi-partidário (Democrata e Republicano) dos prefeitos de Los Angeles, São Francisco, San Jose, Sacramento e Fresno, assim como de grandes líderes trabalhistas e ambientais. Segundo o governo da Califórnia, o TAV não só proporcionará uma ligação mais rápida entre as cidades, mas também investirá bilhões de dólares em melhorias para linhas ferroviárias locais e regionais.


Enviado via iPhone

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Le métro Grand Paris Express trace son chemin en banlieue

18/09/2012 - Les Echos.fr

Par DOMINIQUE MALECOT

Le metro Grand Paris Express trace son chemin en banlieue

Le premier tronçon du futur métro de rocade du Grand Paris prend forme, les riverains vont pouvoir le découvrir en détail lors d'une vingtaine de réunions. Parallèlement, les pouvoirs publics mettent en place les outils nécessaires au volet économique du projet.
C'est parti ! Après Arcueil la semaine dernière, les responsables de la Société du Grand Paris (SGP) présentent ce soir à Bry-sur-Marne (Seine-et-Marne) la ligne Rouge Sud, premier tronçon du futur métro de rocade Grand Paris Express qu'ils sont chargés de faire construire. Il s'agira aussi d'écouter les habitants et de leur expliquer comment cette infrastructure majeure va s'insérer dans leur quotidien.

A eux seuls, les chiffres ont de quoi faire peur. Quelque 5 milliards d'euros de travaux selon les calculs effectués en 2010, 33 kilomètres de tunnels entre le pont de Sèvres et Noisy-Champs, 16 gares, 1 million d'habitants concernés dans 22 communes s'étendant sur 4 départements et 300.000 voyages par jour. Pour tenir les délais et ouvrir cette ligne à l'horizon 2018, les responsables de la SGP ont prévu de mettre en oeuvre simultanément pas moins de 7 tunneliers qui attaqueront le sous-sol en 6 endroits distincts. Le chantier comprendra aussi un site de maintenance et de remisage des métros et une plate-forme d'entretien de l'infrastructure qui se traduiront par 600 créations d'emplois.

De quoi aussi déranger les riverains pendant les travaux. Aussi la SGP a-t-elle décidé d'approfondir son travail d'explications en organisant une vingtaine de réunions de concertation d'ici à la mi-novembre. Elles sont censées permettre aux habitants de s'approprier totalement le projet et... déminer le terrain de l'enquête publique qui pourrait débuter dès la fin de l'année. « Il s'agit d'une étape essentielle pour un projet que nous réalisons avec les habitants, pour les habitants », indique le président du directoire de la SGP, Etienne Guyo. Plus d'une centaine de comités techniques et de comités de pilotage ont déjà permis d'affiner considérablement le projet.

Très avancé, ce dernier se poursuit au rythme prévu. Les études s'enchaînent. « Nous préparons les dossiers des prochaines enquêtes publiques pour être opérationnels dès que les pouvoirs auront défini les priorités pour réaliser les autres tronçons », poursuit Etienne Guyot.

Campus scientifique
Moins spectaculaire, la mise en place des volets logement et développement économique du Grand Paris se poursuit elle aussi. Le projet de loi de Cécile Duflot « Mobilisation générale pour la construction de logements » est au Parlement. La loi donnera un an de plus pour finaliser les contrats de développement territorial. En attendant, la préfecture d'Ile-de-France continue à préparer le terrain. Elle vient de sélectionner 26 projets, sur les 80 qui lui ont été présentés, pour favoriser le développement économique et l'emploi. Les lauréats vont se partager 2,7 millions d'euros pour donner un coup de pouce à leurs initiatives. Le parc de recherche et d'innovation Cancer Campus, dans le Val-de-Marne, va ainsi pourvoir donner du corps à son projet de campus scientifique et technologique Bioparc. Pour sa part, la Capeb Grand Paris va contribuer à la mise en réseau d'artisans pour qu'ils puissent participer aux divers chantiers du Grand Paris. Autre exemple, l'Etablissement public de Paris Saclay va accroître ses efforts de promotion du plateau de Saclay. Lourde tâche. Si le groupe japonais Horiba inaugure ses nouveaux laboratoires contigus à Ecole polytechnique dans quelques jours, les incertitudes sur la construction du métro et les nouveaux blocages dans le regroupement des universités et grandes écoles risquent de contrecarrer ses efforts.


Enviado via iPhone

Maior túnel ferroviário do mundo avança nos Alpes Suíços

17/09/2012 - Revista Fundações e Obras Geotécnicas

As obras do maior túnel ferroviário do mundo estão avançando. Com extensão de 57 quilômetros, o Gotthard Base Tunnel está sendo escavado nos Alpes Suíços, com o objetivo de facilitar o transporte de carga e passageiros entre o país, a Alemanha e a Itália. A estrutura é localizada a 2300 metros de profundidade da superfície.

A empresa responsável pela obra é a AlpTransit Gotthard AG, que espera finalizar os trabalhos em dezembro de 2016. Para facilitar o processo, o túnel foi dividido em sete partes, cujas obras acontecem ao mesmo tempo: Altdorf/Rynächt, Erstfeld, Amsteg, Sedrun, Faido , Bodio, Biasca.

O Gotthard consiste em dois túneis paralelos, com 57 quilômetros de extensão, que são ligados por passagens a cada 325 metros. Também existirão estações de emergência ao longo de todo o trajeto e sistemas para controle de temperatura e ventilação. As obras foram iniciadas em 1999, e em outubro de 2010, foram finalizadas as primeiras escavações do tubo leste. No total, foram retirados 28,2 milhões de toneladas de rocha escavada. Vale lembrar que todo o material retirado na escavação vem sendo reaproveitado na própria obra.

O processo de construção é feito praticamente em conjunto com as escavações. Assim que as rochas são perfuradas pelas máquinas, os operários iniciam a colocação de telas metálicas para evitar o desmoronamento das paredes. O túnel também recebe grandes arcos de aço intercalados em todo o trajeto.

Em 2010, foi iniciada a instalação dos sistemas da ferrovia, começando pelo tubo oeste no trecho entre Bodio e Faido.

Após as férias de verão, as obras foram retomadas no último dia 20 de agosto. No trecho de Sedrun, está em andamento a adaptação do Eixo I da ferrovia e a instalação das passagens de ar e portas do túnel. Já no trecho entre Erstfeld e Sedrun, foi finalizada a última parte da pista de lastro do tubo leste.


Enviado via iPhone

Banco Europeu aprova verba para metrô de Quito

19/09/2012 - Valor Econômico

O Banco Europeu de Investimento aprovou um empréstimo de US$ 250 milhões para pagar parte do planejado metrô de Quito, no Equador, cujo custo é estimado em US$ 1,4 bilhão, disse o responsável pelo projeto, Edgar Jacome. Empréstimos adicionais estão sendo negociados com outros organismos.



Enviado via iPhone

A cidade do futuro já existe: é Songdo

23/09/2012 - O Globo, Jogando Verde

Por enquanto, Songdo é uma pequena cidade com pouco mais de 22 mil residentes. Mas, quando seu ambicioso projeto for concluído, em 2017, ela será uma metrópole, totalmente planejada para ser sustentável. Prova disso é que, com 50% de seus prédios construídos, a cidade já tem cerca de 1,27 milhão de metros quadrados com a certificação Leed (selo de sustentabilidade dado pelo Green Building Council americano). O número é equivalente a toda área certificada no Brasil pelo GBC nacional: 1,3 milhão de metros quadrados.
Entre os prédios sustentáveis já concluídos estão o primeiro centro de convenções da Ásia (o Convensia), a primeira torre residencial (a Central Park I), o primeiro hotel (Sheraton Incheon) e a primeira escola (Chadwick Internations School) da Coreia do Sul a receber a certificação Leed. Mas o que mais impressiona no projeto é a estrutura verde que está sendo montada na cidade.
Coleta de lixo inteligente
O sistema de transportes, por exemplo, além de privilegiar o pedestre, inclui ciclovias, ônibus, metrô e até táxis aquáticos, já que a cidade está sendo construída em um terreno de seis quilômetros quadrados às margens do Mar Amarelo e a 65 quilômetros de Seul. Nas vias públicas, há até sensores que permitem a diminuição de luzes em ruas desertas ou a mudança no tempo de um sinal de trânsito quando o tráfego estiver intenso.
Outro grande investimento está sendo feito na coleta de lixo, que será transportado por um sistema com canos instalado nos prédios, sem a necessidade da coleta dos caminhões como conhecemos hoje. Além disso, 40% da área da cidade será verde (parques e praças) e toda Songdo será conectada.
O investimento para criar algo assim, claro, não é pequeno. Até agora, já foram gastos R$ 10 bilhões. Mas, considerado o maior investimento imobiliário privado já feito, a construção de Songdo vai consumir US$ 35 bilhões (ou cerca de R$ 70 bilhões). Serão 3,7 mil metros quadrados de prédios comerciais e três mil de residenciais (haverá 80 mil apartamentos). A expectativa para 2017, quando o novo centro financeiro estiver pronto, é que 65 mil pessoas morem na cidade e outras 300 mil, entre trabalhadores e estudantes, circulem por lá diariamente. Até o fim deste ano, o número de habitantes já deve ter um crescimento significativo: de 22 mil para 27 mil pessoas.


Enviado via iPhone