sábado, 29 de novembro de 2014

Serviço de trens urbanos de Buenos Aires ganha nova composição

29/11/2014 - Via Trolebus

No dia 25 de novembro, o ministro do Interior e Transporte, Florencio Randazzo, e a presidente Cristina Fernandez de Kirchner anunciaram a chegada dos trens.

Por Renato Lobo

Nossos irmãos Argentinos receberam o primeiro, dos 12 novos trens construídos pela fabricante chinesa CSR Qingdao Sifang. As novas composições deverão rodar na chamada linha Mitre, em Buenos Aires, operado atualmente pela "Corredores Ferroviários SA".

A empresa passou a operar os trens urbanos após sua antecessora ter sido descredenciada, depois que um desastre ocorreu quando um trem perdeu freios quando chegava em uma estação movimentada da capital argentina. Na ocasião foram mais de 50 mortos e 676 feridos.

No dia 25 de novembro, o ministro do Interior e Transporte, Florencio Randazzo, e a presidente Cristina Fernandez de Kirchner anunciaram a chegada dos trens.

A CSR Qingdao Sifang ganhou o contrato em 2013 para fornecer novas composições visando substituir outras antigas com mais de 50 anos. Com a medida, o tempo de espera de 18 minutos deve cair para 14. Posteriormente o intervalo deve cair para 10 minutos com outras 30 novas composições encomendados para a linha.

Fonte: Via Trolebus

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Teleférico mais alto do mundo coleciona elogios na Bolívia

28/11/2014 - BBC Brasil

O teleférico começou a funcionar em maio e acabou de inaugurar sua terceira linha

O sistema já transportou 5 milhões de passageiros
O sistema já transportou 5 milhões de passageiros
créditos: BBC
 
Sete meses após a inauguração, o teleférico urbano mais alto do mundo, que liga La Paz, capital da Bolívia, à cidade de El Alto, vem colecionando elogios de usuários.
 
O teleférico começou a funcionar em maio e acabou de inaugurar sua terceira linha. O projeto deve contar com oito linhas, ao custo de US$ 235 milhões (cerca de R$ 600 milhões).
 
Segundo César Dockweiler, gerente da empresa Mi Teleférico, responsável pela concepção e operação do projeto, "o sistema transporta todos, sem distinção de nível econômico ou raça".
 
Usuários elogiam o novo meio de transporte. "A viagem ficou mais rápida e fácil", afirma uma passageira.
 
As estações do teleférico em El Alto ficam a mais de 4 mil metros acima do nível do mar. Desde a inauguração, o sistema já transportou 5 milhões de passageiros.
 
O intuito é aliviar o trânsito pesado de La Paz. No entanto, não agradou a todos, entre eles os motoristas de táxi, que temem perder clientes.
 
Para a maioria, no entanto, o teleférico é um símbolo do bom momento econômico do país.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Ferrovia interoceânica fica mais barata se cortar a Bolívia, diz Morales

22/11/2014 - EFE

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou neste sábado que a construção na América do Sul de uma ferrovia interoceânica será mais barata se atravessar seu país, ao invés de unir diretamente os territórios de Brasil e Peru. "Se a ferrovia bioceânica passar pela Bolívia será mais curta e mais barata", garantiu Morales em entrevista coletiva na cidade de Cochabamba.
O governante fez o comentário a propósito de uma declaração recente do presidente do Peru, Ollanta Humala, que excluiu a possibilidade que a ferrovia passe por território boliviano. Humala disse que seu país, o Brasil e a China estudarão essa obra para integrar suas economias.

Por sua vez, Morales comentou neste sábado (22) que há dois projetos em debate para a construção dessa ferrovia na América do Sul com apoio financeiro da China, para unir os oceanos Atlântico e Pacífico, e insistiu que a opção pela Bolívia é a mais econômica.

O presidente boliviano acrescentou que China e Brasil estão surpreendidos pelo projeto que inclui a opção da Bolívia. Morales disse também que talvez os técnicos peruanos não tenham apresentado bons relatórios às autoridades de seu país, motivo pelo qual dará essa informação pessoalmente ao governo vizinho.

Nesse sentido, lembrou que está pendente uma reunião bilateral com seu colega peruano para tratar projetos de desenvolvimento. Em uma ocasião anterior, Morales disse que o projeto ferroviário pode custar entre US$ 10 bilhões e US$ 13 bilhões.


Após polêmicas com o trânsito, prefeito de Roma enfrenta pedidos de demissão

25/11/2014 - O Globo

ROMA — Eleito no ano passado, o novo prefeito de Roma, Ignazio Marino, tinha como seu maior desafio melhorar o trânsito da capital italiana, um dos maiores problemas da cidade. O mandatário implementou algumas mudanças, mas não foi o que os romanos esperavam. Além das medidas impopulares, ainda foram descobertas infrações de trânsito do próprio prefeito. Foi o estopim para os italianos pedirem sua demissão.

O trânsito sempre foi um grande problema em Roma, qualquer pessoa que passa pela cidade leva como recordação o caos de carros e motos pelas vielas da Cidade Eterna. Eleito em 2013, Marino, do Partido Democrático, prometeu criar leis e restrições que melhorariam o tráfego. Suas medidas, porém, revelaram-se impopulares. Primeiro o prefeito proibiu a circulação de carros na rua que circunda o antigo Forum Romano, para deixar o passeio dos turistas mais agradável. Mas com uma rua a menos, o trânsito no centro só piorou, e os romanos ficaram insatisfeitos. Depois, Marino resolveu aumentar o preço dos estacionamentos, para desestimular as pessoas a saírem de carro, mas, com um sistema de transporte público deficiente, a medida também gerou apenas a ira da população.

O que mais enfureceu os romanos, porém, foi o descaso de Marino com as leis de trânsito da própria cidade que governa. Para trafegar no centro, é necessária uma licença anual que custa algumas centenas de euros, e o carro do prefeito, um Fiat Panda vermelho, foi visto algumas vezes na região com sua licença vencida. Além disso, Marino deixou de pagar oito multas por infrações de trânsito. A gota d'água da revolta popular veio quando um canal de televisão flagrou o Panda do prefeito parado em local indevido perto do Senado.

Os pedidos de demissão vieram em coro durante pronunciamento do prefeito sobre suas infrações. Marino, então, resolveu adotar uma postura desafiadora, classificando as acusações como "fixação com meu carro", e disse que em vez de se demitir, continuaria tomando medidas para transformar a cidade após "anos de negligência". O democrata ainda mostrou os recibos das multas pagas, com um valor que ultrapassava mil euros, e disse que o acúmulo das multas e o vencimento de sua licença foram culpa de algum assessor.

Mesmo depois de mostrar as multas pagas, a postura ofensiva de Marino não convenceu parte da população, que continua a pedir sua demissão. O prefeito tentou, então, baixar a guarda, mostrando-se arrependido e pedindo desculpas, e solicitando que parem de pedir sua demissão. Se a população o perdoará é uma incógnita: uma pesquisa encomendada por seu próprio partido mostrou que Marino tem o apoio de apenas 20% dos romanos

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Lima descarta passagem por Bolívia de trem interoceânico Brasil-Peru

19/112014 -AFP

A construção de uma ferrovia entre Brasil e Peru, que permitirá unir comercialmente portos do Atlântico e do Pacífico, não cruzará o território boliviano como o país espera, anunciou nesta quarta-feira o presidente peruano, Ollanta Humala.

O presidente disse que esta mega-obra, que os governos de Lima e Brasília projetam, foi um dos assuntos abordados em sua recente viagem à China, país que deve participar da construção e do financiamento.

"Após um acordo prévio com o Brasil na China foi aprovada a assinatura de um memorando para iniciar os estudos de um projeto de trem que una os oceanos e possa integrar os mercados de Brasil, Peru e China", disse Humala, durante reunião com meios de comunicação estrangeiros no Palácio do Governo.
O chefe de Estado indicou que o percurso que o trem cobrirá não será pelo sul do Peru e através da Bolívia, mas "pelo norte do Peru, por razões de interesse nacional", que não especificou.

A Bolívia pretende participar do projeto e se somar a uma ferrovia que possa ligar seu território e seus produtos a portos dos dois oceanos.

Segundo estimativas iniciais, a ferrovia teria um custo de US$ 10 bilhões, que a China estaria em condições de financiar.

Em outubro, o plano gerou alguns atritos diplomáticos entre Lima e La Paz, depois que o presidente boliviano, Evo Morales, disse que o Peru estaria marginalizando a Bolívia do traçado.

"Não sei se o Peru está fazendo uma jogada suja", queixou-se.

Humala disse ter "o maior respeito pelo presidente (Evo) Morales" e que seu país está comprometido na integração com a Bolívia e apoia sua reivindicação histórica de uma saída para o mar.

Neste sentido, referiu-se a "outro projeto de ferrovia que viria de La paz" e chegaria até os portos peruanos e Lima. Ele disse que os ministros do Transporte dos dois países entraram em contato para avançar no tema. "É um desafio de engenharia pelas descidas da Cordilheira até a costa", acrescentou.

Fonte: AFP
Publicada em:: 19/11/2014

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Eurostar compra sete trens e aumenta destinos na Europa

17/11/2014 - O Globo

A Eurostar está gastando 300 milhões de libras (R$ 1,2 bilhão) em sete novos trens. O objetivo é aumentar o número de destinos da empresa com trajetos mais distantes e atrair mais passageiros que, atualmente, optam por viagens aéreas.

Exatamente 20 anos depois do início do trecho ferroviário entre Londres, Paris e Bruxelas, a Eurostar apresentou, semana passada, o novo visual dos trens. O projeto faz parte da estratégia de expansão da frota e que está orçado em 1 bilhão de libras (R$ 4 bilhões).

Nessas duas décadas, a ligação entre as três capitais europeias transformou o transporte local. A Eurostar domina cerca de 80% do mercado entre esses destinos. Segundo a empresa, esse percentual é o dobro do que era logo depois do lançamento.

— Eu não acho que podemos ir muito além disso. O crescimento para nós não está mais dentro de Paris ou Bruxelas, está em outros destinos — disse o presidente-executivo da Eurostar, Nicolas Petrovic.

Nos próximos dois anos, as tradicionais linhas amarelas das laterais do Eurostar serão vistas do norte da França e da Bélgica, até Marselha, no sul do país francês, e Amsterdã, na Holanda.

— Precisamos convencer os passageiros que vale a pena experimentar a nossa companhia e trocar as viagens aéreas pelas ferroviárias. Temos de criar novos mercados que não existem agora — disse Petrovic.

Os novos trens terão assentos maiores, com mais espaço entre uma poltrona e outra, além de Wi-Fi em todos os vagões. Segundo a empresa, o júri que decidirá se a troca da da viagem aérea pela terrestre vale a pena é formado pelos passageiros.

A Eurostar espera que os novos trens possam ajudar a empresa a combater qualquer concorrência futura. A empresa alemã Deutsche Bahn está planejando uma outra rota ferroviária por túnel, que ligará Frankfurt a Londres, via Bruxelas.


Passageiros testam trem que atinge 500 km/h no Japão

17/11/2014 - BBC

Cem passageiros participaram no Japão de testes com trens de alta-velocidade 'maglev' - que usam levitação magnética e 'flutuam' sobre os trilhos.

Os novos modelos chegam a até 500 km/h e são ainda mais rápidos que os famosos trens-bala japoneses, que viajam a uma velocidade de 320 km/h.

São mais velozes também que a linha de mag-lev que opera entre o aeroporto de Xangai, na China, e o centro da cidade, que atinge 430 km/h.

O teste foi realizado no trecho de 43 km entre as cidades de Uenohara e Fuefuki, no centro do Japão. Serão oito dias de testes, que terão a participação de 2,4 mil pessoas. Mais de 240 mil haviam se cadastrado para os testes.

sábado, 15 de novembro de 2014

Eurostar celebra 20 anos

15/11/2014 - Euronews

É com novas rotas e a novos comboios que o Eurostar festeja 20 anos.

A 14 de novembro de 1994 começavam as ligações ferroviárias de alta velocidade entre Londres e Paris e Londres e Bruxelas. Seria a revolução nas ligações entre o Continente europeu e o Reino Unido através do Canal da Mancha.

A companhia francesa de caminho-de-ferro, SNCF, detém 55% da empresa, a homologa belga 5%, e o governo britânico 40%. A participação de Londres foi posta à venda.

Em relação ao futuro, Eurostar anuncia a criação de novas ligações. Nicolas Petrovic, presidente executivo, explica: "A partir do próximo ano teremos o serviço direto de Londres para Lyon, Avignon e Marselha, em França. No ano seguinte, prevemos ligar Londres/Amesterdão, na Holanda. Temos novas rotas para continuar a expandir a empresa".

Desde a criação, o Eurostar já transportou mais de 150 milhões de pessoas. A empresa fala de uma procura recorde e diz ter uma quota de mercado de 80% no segmento das viagens entre cidades.

O presidente executivo evoca as perspetivas de crescimento: "O mercado das viagens de lazer no Reino Unido teve um bom desempenho nos últimos dezoito meses. Há muita confiança no Reino Unido, as pessoas estão confiantes, felizes por fazer uma pausa da cidade ou por partirem de férias. Nos mercados francês e belga, podemos dizer que tem sido ok. Quero dizer, continuamos a crescer nesses mercados".

No momento de festejar 20 anos, Eurostar juntou mais sete comboios à encomenda feita à alema Siemens, em 2010. No total, são 17 novas composições.

E quanto à futura concorrência alemã nas ligações ferroviárias no Canal da Mancha, Nicolas Petrovic declara: "Congratulamo-nos com a chegada da Deutsche Bahn enquanto concorrente ferroviário no Canal da Mancha. É uma boa notícia, porque vai reforçar a ideia de que se pode usar o comboio de alta velocidade para atravessar o Canal".

Com a remodelação e renovação da frota, o Eurostar vai gastar mil milhões de livras.

Os novos comboios e320 entram ao serviço no final de 2015.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Sistema de VLT da Alstom inicia operação na primeira linha 100% sem catenária do mundo

13/11/2014 - Alstom

No dia 11 de novembro, o Sheik Hamdan bin Mohammed bin Rashid Al Maktoum, Príncipe da Coroa e Presidente do Conselho Executivo, inaugurou o VLT de Dubai, na presença do Sheik Maktoum Bin Mohammed Bin Rashid Al Maktoum, Vice-Governador de Dubai, Vice-Presidente do Conselho Executivo e Sua Excelência Mattar Al Tayer, Presidente da Diretoria e Diretor Executivo da Roads and Transport Authority (RTA) e Henri Poupart-Lafarge, Presidente da Alstom Transporte.

Esse projeto de sistema integral – que foi atribuído à Alstom¹ pela Dubai Roads and Transport Authority (RTA) – foi lançado para impulsionar o uso de transporte multimodal e reduzir o congestionamento e a poluição pelo tráfego. Esse primeiro VLT em toda a região do Golfo deve atender cerca de 27.000 passageiros por dia, e deve chegar a 66.000 até 2020.

Sua Excelência, Mattar Al Tayer, Presidente da Diretoria e Diretor Executivo da Roads and Transport Authority (RTA), afirmou: "o VLT de Dubai é uma criação de Sua Alteza, o Sheik Mohammed bin Rashid Al Maktoum, Vice-Presidente e Primeiro-Ministro dos EAU e Governador de Dubai, para fornecer um sistema de transporte avançado. Quando a RTA foi criada em 2005, Sua Alteza encomendou uma solução integrada e abrangente para a área a fim de acomodar os grandes projetos de urbanização na região, particularmente a área de JBR, Marina e Al Sufouh".



"O VLT de Dubai, que temos o orgulho de entregar antes do prazo, ilustra a estratégia da Alstom de atender a todos os mercados com uma gama completa de soluções, enquanto demonstramos nossa posição de liderança nos sistemas VLT. Graças à próxima colaboração entre Alstom e RTA no projeto, os cidadãos de Dubai podem agora viajar a bordo de um dos VLTs mais sofisticados e confortáveis do mundo" afirmou Henri Poupart-Lafarge.



O VLT de Dubai inclui várias revoluções tecnológicas da Alstom. É o primeiro VLT do mundo capaz de rodar a temperaturas de até 50°C e suportar condições climáticas extremas, como umidade e atmosfera arenosa. Equipado com um sistema de fornecimento de energia no nível do solo (APS), o sistema também é o primeiro do mundo a ser livre de catenárias em toda a linha, que tem 10,6 km de comprimento e 11 estações.

Essa tecnologia permite a integração perfeita do VLT à paisagem da cidade. Por fim, trata-se da primeira linha a ser equipada com estações com ar condicionado e portas de segurança de plataforma automáticas.

O VLT de Dubai oferece conforto sofisticado. O VLT Citadis tem 44 metros de comprimento e pode acomodar 408 passageiros em classes "ouro", "prata" e "mulheres e crianças". O VLT é equipado com informações para passageiros em tempo real e transmissões de vídeo. Para melhor refletir a imagem da cidade, o VLT Citadis de Dubai tem um diferenciado formato de diamante na frente.

O VLT de Dubai é o oitavo sistema entregue pela Alstom em uma década. Com sete outros em implementação no mundo, incluindo o VLT de Lusail, no Qatar, a Alstom é líder mundial em sistemas de VLT.

1. Para o fornecimento de 11 Citadis, disposição de trilhos, rede e subestações de energia, solução de sinalização Urbalis, sistemas de comunicação e segurança, centro de controle de operações integrado, portas de segurança nas plataformas, sinalização de pista, sistema de bilhetagem e 13 anos de manutenção.

Fonte: Alstom
Publicada em:: 13/11/2014

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Coreia do Sul testa ônibus elétrico sem fio

12/11/2014 - Porto Imagem

 
Leia também (com vídeo): Ônibus sul-coreano é abastecido por 'rua elétrica' - BBC





Uma nova tecnologia em meios de transporte sustentáveis está sendo testada na Coreia do Sul. Desde terça-feira (6), dois ônibus elétricos que são recarregados sem nenhum fio circulam por um trajeto de aproximadamente 24 km em Gumi, segunda maior cidade da província de Gyeongsangbuk-do, na Coreia do Sul. O projeto foi desenvolvido pelo Instituto Coreano Avançado de Ciência e Tecnologia (Kaist).

Os veículos, denominados OLEV (Online Electric Vehicle), são alimentados por cabos elétricos implantados sob as vias, 17 centímetros abaixo dos ônibus. Os cabos criam um campo magnético que é transformado em eletricidade por um dispositivo que fica na parte inferior do veículo.
Dessa forma, a energia é transferida diretamente para o ônibus, esteja ele parado no trânsito ou se movendo sobre a rua. Esse sistema tornou possível a redução das baterias para cerca de um terço do tamanho das utilizadas em veículos elétricos comuns e eliminou a necessidade de fios e conexões para recarregar.

Segundo os pesquisadores, o campo magnético criado pelos cabos implantados nas ruas é fraco e não apresenta riscos para os pedestres. Além disso, o sistema é capaz de detectar quando um ônibus OLEV está passando pelo local, e só então ativar o campo magnético.

Ampliação

Até 2015, a cidade pretende adicionar mais dez ônibus ao trajeto, e possivelmente ampliar as ruas que oferecem esse sistema. Apenas 5 a 15% da via precisam ser substituídos para que a tecnologia seja implantada. Mesmo assim, os custos com a reforma e a necessidade de interditar diversas ruas para que esse processo seja realizado são fatores que podem desestimular as autoridades a investir no projeto.

Antes de ser implantado na cidade, o sistema foi testado e um parque de diversões em Seul e em ônibus que circulam no interior do campus onde foi desenvolvido.